Nobel de medicina sugere que comer de 3 em 3 horas NÃO ajuda em nada na dieta

relogio 1400x800 0112
SerAlexVi/ Istock

Não faltam teorias no imenso leque de opções de dietas. Mas, uma delas tornou-se quase verdade absoluta de uns tempos pra cá: comer de três em três horas ajuda a emagrecer.

Vai dizer que você nunca adotou essa máxima para perder uns quilinhos? Há, inclusive, quem programe o despertador para conseguir se lembrar de que é hora de comer.

Apesar de o hábito ser firmemente defendido por nutricionistas ao redor de todo o mundo, há quem questione.

Yoshinori Ohsumi é biologista celular e Nobel de Medicina de 2016, além de ser pesquisador da Universidade de Tóquio. Este homem gerou um novo debate ao estudar detalhadamente um processo natural do nosso corpo e descobrir que precisamos fazer pausas longas entre uma refeição e outra.

Entenda o que a descoberta de Ohsumi muda na sua dieta.

Autofagia: o que é?

Todos os direitos reservados

Há no corpo humano um mecanismo conhecido no campo da ciência como ‘autofagia’, que opera como se fosse um ‘controle de qualidade’ do nosso organismo. O tal processo permite a reciclagem de nossas células degradadas, eliminando proteínas e organelas (que ajudam as células a funcionar) para, depois, renová-las.

O termo autofagia vem do grego: significa ‘comer a si mesmo’ e já era conhecido na ciência desde os anos 1960. O objetivo de Ohsumi com o estudo era, portanto, descobrir como esse processo funcionava.

Para isso, ele separou as células em vacúolos - pequeno espaço cheio de líquido que pode ser detectado com um microscópio de luz branca - e realizou um processo em que deixou a célula ‘com fome’, de forma semelhante a como nosso organismo reage quando ficamos longos períodos sem comer.

Então, o pesquisador percebeu que a degradação das células gerava outra ação. “Após 30 minutos de fome, muitas vesículas apareceram e se acumularam no vacúolo”, explicou Ohsumi em entrevista ao Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos.

yoshinori ohsumi nobel medicina 1116 1400x800
Ken Ishii/iStock

Este foi o ponto de partida para que Ohsumi repetisse, no início dos anos 1990, o processo com leveduras, que são fungos formados apenas com uma célula.

Ao perceber que o mesmo processo acontecia em uma única célula, descobriu que a autofagia realiza importantes funções fisiológicas.

Para a célula chegar à autofagia, precisa estar degradada. E essa degradação é estimulada por intervalos maiores de jejum.

Segundo Daniel Klionsky, outro estudioso da área da Universidade de Michigan, trata-se de "um mecanismo natural, regulado e destrutivo que as células têm para desmontar componentes desnecessários ou disfuncionais".

O que essa descoberta muda na sua dieta

dieta barriga cintura 1216 1400x800
YunYulia

Rodrigo Polesso, especialista em nutrição otimizada pela Universidade Estadual de San Diego (EUA), explicou ao Vix que essas pesquisas reforçam a importância de que devemos adotar a autofagia como prática, ou seja, aceitar o fato de que nosso corpo precisa de mais tempo para processar o alimento. “Até poucas décadas atrás, a população costumava se alimentar 3 vezes ao dia: café, almoço e janta”, criticou.

“A autofagia acontece principalmente quando nosso corpo está em estado de jejum. Logo, podemos entender que os grandes benefícios desse mecanismo serão muito reduzidos e limitados caso estejamos nos alimentando continuamente, como de 2 em 2h ou 3 em 3h”, explica Polesso.

“Isso significa que o jejum é uma estratégia que permite que os benefícios da autofagia aconteçam da melhor forma possível”, completa.

Polesso alerta que temos que praticar mais o jejum intermitente, que pode acontecer de forma involuntária – por exemplo, do tempo em que comemos à noite, descansamos a refeição, vamos dormir, acordamos e nos preparamos para tomar café. “Isso propicia jejum automático de pelo menos 12h, ao menos uma vez ao dia”, conclui.

Comer de 3 em 3 horas: por que essa pode não ser uma boa ideia?

mau humor de fome2
Thinkstock

Há tempos a teoria de que devemos comer de instante em instante é contestada. Em 1997, um estudo francês publicado no Instituto Nacional de Saúde dos EUA chegou à conclusão que comer frequentemente não favorecia o metabolismo, muito menos o emagrecimento.

“Não existe nenhuma evidência de que a perda de peso em uma dieta hipocalórica seja alterada devido à frequência das refeições”, escreveram os pesquisadores.

Mesmo quando se observou com mais cuidado a relação de comer periodicamente com emagrecimento, a conclusão não foi muito diferente. Pesquisadores australianos publicaram em 2009 uma nova revisão desses conceitos, apontando que, em vez de perder peso, comer de 3 em 3h poderia provocar justamente o contrário: “As limitadas evidências disponíveis sugerem que não existe nenhuma associação entre a frequência das refeições e o peso ou saúde, tanto em relação ao emagrecimento quanto à manutenção de peso, ainda com uma possível associação inversa entre frequência e gordura".

“Hoje, as pessoas comem bem mais, seguindo em média 5 refeições ao dia, e estão mais gordas e doentes do que nunca”, diz Polesso. Só nos últimos 30 anos o índice de obesidade dobrou no mundo todo, segundo levantamento da publicação especializada em medicina The Lancet.

Autofagia contra doenças

coracao medico respiracao 1016 1400x800
Juli_Lenets/Shutterstock

Além de apresentar benefícios para a dieta, a autofagia também oferece diversos ganhos para a saúde. O estudo de Ohsumi mostrou como esse processo pode combater os malefícios do envelhecimento e ainda ajudar na cura do mal de Parkinson e diabetes tipo 2.

“Autofagia pode rapidamente fornecer combustível para energia e renovação de componentes celulares, sendo, portanto, essencial para resposta à fome e outros tipos de estresse”, explica a comitiva de médicos que integrou o Nobel.

O mecanismo também atua para eliminar bactérias intracelulares e diversos tipos de vírus do nosso organismo.

Polêmicas e benefícios do jejum