mulher

Carreira x maternidade

103052
shutterstock

O dilema carreira x maternidade é um assunto que nunca se esgota. Muitas mulheres continuam perdendo o sono ao tentar definir se vale mais a pena trabalhar para proporcionar aos filhos uma vida com melhores condições ou abrir mão do trabalho para ter mais tempo com eles.

Há aquelas que adiam a maternidade para que consigam se consolidar na carreira antes de engravidarem. Mas quando esperar não é uma alternativa, o ideal é ter em mente os esforços que serão necessários para continuar no trabalho após o fim da licença maternidade. “É preciso refletir sobre o assunto e se perguntar: Vou deixar meu filho na creche, com uma babá ou com algum familiar? Que tipos de compromissos não poderei aceitar (viagens, transferências, entre outros)? É fundamental que o parceiro esteja a par de tudo e ajude a administrar a situação”, explica o consultor de carreira Wallace Firmo.

Parar de trabalhar é aconselhável somente quando a mulher decide que quer se dedicar exclusivamente aos cuidados com o filho e a família tem condições financeiras para isso. Mas se depois dos filhos um pouco mais crescidos houver a opção de voltar ao mercado, elas entram em desvantagem. “Isso ocorre porque a distância do mercado de trabalho faz com que ela fique desatualizada. É essencial manter-se informada sobre a sociedade, com a leitura de revistas e jornais, ler livros sobre a sua área profissional e participar de palestras, congressos, cursos e especializações”, afirma.

Quem não tem essa opção e precisa trabalhar todos os dias, a dica é se programar para passar um tempo diário com a família, mantendo a proximidade com os filhos. Sempre que possível, realizem as refeições juntos e façam com que o tempo seja bem aproveitado. Brinque com as crianças, leia uma história, e tenha um tempo de lazer com os filhos antes de colocá-los para dormir.

O consultor de carreira diz que não é possível afirmar qual é a melhor opção, pois isso depende da realidade de cada família, da energia da mulher, dos seus desejos e do que ela considera mais importante para se sentir realizada: priorizar a carreira, os filhos, ou conciliar os dois. “É importante conversar com o parceiro para que ele possa dar o suporte necessário nesta fase, além de dividir as tarefas, inclusive os cuidados com os filhos. Uma boa alternativa, quando a empresa permite, é tentar reduzir o horário de trabalho para ter mais tempo com os filhos e acompanhar o desenvolvimento de perto, sem precisar abrir mão da carreira. O desenvolvimento de uma criança é surpreendente e cada fase que acontece não irá voltar, por isso a mulher deve analisar o que é mais importante”, orienta.