mulher

Guia da masturbação feminina

maturbacao 1116 1400x800
oneinchpunch/shutterstock

É fato: as mulheres se masturbam menos do que os homens. Mas, segundo explica a sexóloga e psicóloga Carla Cecarello, isso não acontece por falta de vontade. "O homem é estimulado desde cedo a explorar sua sexualidade, enquanto a mulher é reprimida nesse sentido. Isso faz com que muitas não desenvolvam o hábito de se masturbar, pois acham que é feio, que é pecado", afirma.

A especialista diz que a prática é superimportante para o conhecimento do próprio corpo e o desenvolvimento da sexualidade, que garante uma vida sexual bem mais satisfatória. Ela lista algumas dicas e orientações para que o momento de intimidade se torne ainda mais prazeroso.

Dicas de masturbação para mulheres

masturbacao mulher vagina 1116 1400x800
teksomolika/istock

- Procure um lugar onde você se sinta à vontade, como o seu quarto ou banheiro. "A mulher que nunca se masturbou e vai tentar pela primeira vez acha que as paredes têm olhos e que alguém, de algum lugar, vai ver o que ela está fazendo", diz a especialista.

- Encontre uma posição confortável. "Pode ser em pé ou sentada, contanto que a mulher esteja à vontade", orienta Carla.

- Acaricie seu corpo. Os seios, parte interna da coxa e dos braços, virilha e pescoço são zonas erógenas na mulher. Estimule-as passando os dedos ou as unhas levemente. Se desejar, use uma pena (você pode encontrar em sex shops) ou outro objeto que ache excitante.

- Ao tocar a vagina, explore toda a região e descubra os pontos mais estimulantes. Use os dedos mínimo e polegar para afastar os lábios enquanto se masturba com os outros, ou utilize as duas mãos.

- No clitóris, faça movimentos circulares, "atravessado" (de um lado para o outro) ou mesmo para cima e para baixo. Você pode usar um ou mais dedos e aumentar a velocidade e pressão conforme for se excitando. Lembre-se que essa região é muito sensível, portanto começar a estimulação com muita força pode machucar.

- Introduza um ou mais dedos na vagina, simulando a penetração ou movimentando-os lá dentro. Segundo especialistas, o ponto G fica na parte superior do canal vaginal, logo na entrada. Essa região é mais áspera do que o restante do canal. Procure estimulá-lo com o dedo e observe sua reação. Tenha cuidado com a unha comprida, pois ela pode machucar.

- Movimente o corpo todo, e não só os dedos. Mexa os quadris, as pernas, o tronco e, se desejar, vire-se de barriga para baixo, como se estivesse por cima de outra pessoa. Para muitas mulheres, quanto mais realista for a situação, mais excitante.

- Procure fechar os olhos e imaginar uma cena erótica. Se preferir, assista a um filme pornográfico ou vídeos na internet. Você pode ainda colocar uma música ambiente sensual para te ajudar a entrar no clima (se não for atrapalhar).

- É interessante observar sua lubrificação natural e descobrir o que a provoca essa sensação de prazer. Porém, se você já tem mais prática no assunto e conhece bem o seu corpo, pode usar outros artifícios para aumentar o prazer. Existem géis e óleos estimulantes que provocam sensações diferentes na pele, como de aquecimento, esfriamento e até vibratórias.

- Explore também vibradores e masturbadores. Os bullet, sucesso absoluto entre as mulheres, são ideais para posicionar em cima do clitóris e obter o máximo de estímulo, pois eles têm o poder vibratório muito grande. Existem também próteses feitas de cyberskin, material que imita a textura da pele humana, bolinhas tailandesas e muitos outros acessórios. "Use apenas produtos destinados a esse fim. Nada de banana, cenoura, frasco de desodorante, etc. Eles podem derreter dentro da vagina, criar vácuo e gerar problemas", alerta Carla.

"Erros" na hora da masturbação

Como a mulher não é exatamente incentivada a conhecer o próprio corpo e, muitas vezes, passa anos e anos sem nem sequer tentar se masturbar, é natural que elas sintam dificuldades em encontrar o tão comentado prazer que muitas encontram ao tocar a si mesmas. Confira abaixo hábitos e condutas que podem atrapalhar a chegada ao orgasmo:

Ver o clitóris como única fonte de prazer

Ainda que o clitóris seja o único órgão no corpo humano voltado única e exclusivamente para o prazer e que tenha milhares de terminações nervosas responsáveis por fazer a mulher ficar excitada, ele não precisa ser o único “alvo” na hora da masturbação.

Além da possibilidade de encontrar prazer em outras regiões - como nos mamilos e o interior da vagina, por exemplo -, há também mulheres que sentem menos prazer ao tocar o clitóris diretamente e mais ao estimular a região em torno dele. Aqui, a ideia é explorar e, fazendo isso, descobrir o que é melhor para você.

Vergonha

Ter fantasias e desejos é completamente natural, mas, por serem frequentemente privadas de explorar sua sexualidade, não é raro que mulheres tenham vergonha de deixar a imaginação fluir na hora de se masturbar - algo que com certeza pode atrapalhar a chegada ao ápice do prazer.

Além disso ser algo normal, é importante pensar que este é um momento só seu e certificar-se de que não há a possibilidade de alguém te interromper. Ninguém além de você precisa saber sobre o que povoa sua mente e te dá prazer, então se solte e aproveite esse momento íntimo.

Outro ponto é a possível vergonha de tocar no assunto e tirar dúvidas sobre ele, mesmo com pessoas próximas. Ainda que o tabu acerca do tema seja grande, sofrer calada com uma dúvida na ponta da língua pode afastar a mulher do prazer, então se jogue nas pesquisas e na troca de experiências com amigas ou pessoas confiáveis.

Não explorar diferentes “técnicas”

É natural que, ao começar a descobrir o próprio corpo, as pessoas descubram também qual a melhor forma de chegar ao prazer - mas essa forma certamente não é a única. Para não ficar “presa” a uma técnica só, uma ideia é testar as possibilidades, ou seja, variar as posições, testar lubrificantes que despertam diferentes sensações, apelar para brinquedinhos eróticos e entender então como o corpo responde a cada tipo de estimulação.

Falta de higiene

Ainda que na masturbação solo não haja o risco de contrair uma doença sexualmente transmissível, é extremamente importante que a mulher fique atenta a bons hábitos de higiene. Para quem usa brinquedos eróticos, por exemplo, é importante buscar saber quais são as melhores formas de higienizá-los e armazená-los, mantendo-os sempre limpinhos para evitar carregar para dentro de si o que não deve.

A higiene e os cuidados com as mãos também são indispensáveis; se masturbar com as unhas muito grandes, por exemplo, pode ocasionar feridas tanto dentro quanto fora da região íntima (que é uma mucosa bastante sensível), bem como desconfortos no momento da masturbação. Sendo assim, o melhor é mantê-las em um tamanho razoavelmente curto, devidamente lixadas e, é claro, limpinhas.

Pensar nela como uma traição

É bem comum que mulheres enxerguem o ato de se masturbar após o casamento como uma espécie de traição - já que, baseando-se em concepções machistas, o homem deveria ser o único responsável pelo prazer de sua parceira. Buscar essas sensações de bem-estar provocadas pelo orgasmo sozinha, porém, não é errado.

Isso porque, em primeiro lugar, a mulher quando se masturba também acaba conhecendo melhor o que a faz sentir prazer, fazendo com que fique mais fácil para ela o ato de guiar o parceiro na hora H. Além disso, é bom lembrar que a masturbação solo não é a única opção; para quem ter um parceiro, levar isso para a cama pode ser bem positivo.

Além de se masturbar na frente do parceiro ser eventualmente algo excitante para ele, também é possível fazer uma "troca": dar prazer a ele enquanto ele o dá a você. Essa pode, inclusive, ser uma forma de esquentar o relacionamento e deixar o casal mais feliz conforme chegam em uma fase de "rotina" na vida sexual.

Benefícios da masturbação

Mesmo cercada de mitos e, para muitas mulheres, medos, é comprovado por estudos e especialistas que a masturbação é capaz de trazer diversos benefícios tanto para o corpo quanto para o emocional das pessoas. Para te incentivar, listamos quatro formas que a masturbação tem de melhorar sua vida:

Autoestima lá em cima

Conforme se conhece e se vê sendo capaz de atingir o prazer sexual sozinha, a mulher certamente fica mais confiante - e a confiança é algo incrivelmente poderoso. Em geral, elas se sentem também mais atraentes (fora que, na cama, confiança pode ajudar a dar aquela apimentada no relacionamento).

Vida sexual melhor

Não é raro encontrar mulheres que não são felizes no âmbito sexual, que sentem desconfortos ao transar com o parceiro ou a parceiro e ficam desapontadas pelo fato de que, para elas, o sexo não é “aquilo tudo” de que sempre ouviram falar. Muitas vezes, porém, isso acontece por pura falta de conhecimento sobre o próprio corpo.

Apesar da possibilidade de a dor na penetração, por exemplo, ter raízes em problemas de saúde, muitas vezes ela está ligada à falta de lubrificação - algo que está relacionado com a excitação. Se a mulher não se conhece, é mais difícil para ela guiar o parceiro, e a falta de comunicação pode gerar frustração na hora H.

Conforme a mulher passa a se conhecer (e a masturbação ajuda um bocado nisso), fica mais natural o ato de mostrar para o parceiro aquilo que gera prazer para ela, e isso consequentemente reflete em uma melhoria na vida sexual.

Fortalecimento da vagina

Assim como qualquer músculo do corpo, o assoalho pélvico - que “sustenta a vagina e outros órgãos localizados no baixo abdômen - também enfraquece com o passar dos anos, levando a problemas como a incontinência urinária, por exemplo. A masturbação, porém, pode prevenir isso.

Geralmente, orgasmos provocam contrações no aparelho reprodutor feminino, e essas contrações agem como um exercício para esses músculos. Isso, por sua vez, ajuda a manter o tônus da região, prevenindo então problemas ligados a seu enfraquecimento.

Sensação de bem-estar

Assim como acontece no sexo, a masturbação também é capaz de gerar sensação de bem-estar. Isso porque, seja como for, um orgasmo é um orgasmo, e ele é responsável por ativar a liberação de endorfinas, hormônios ligados à sensações de contentamento e relaxamento.

Isso, por sua vez, pode afetar até a qualidade do sono, fazendo com que ele seja mais profundo e reparador, além de eventualmente reduzir os níveis de ansiedade e estresse.

Mitos sobre a masturbação

Como parte da repressão que as mulheres sofrem quanto a própria sexualidade, não é incomum que elas tenham ouvido - especialmente durante a adolescência - histórias sobre a masturbação fazer mal. Essas histórias, porém, não são reais, então caso você já tenha escutado que se masturbar gera espinhas, pelos nas palmas das mãos e até que isso dificulta a gravidez, pode ficar tranquila pois nada disso é verdade.

Mais sobre masturbação feminina