mulher

6 problemas que podem estar minando sua vida sexual

desejo sexual
Thinkstock

O desejo sexual está diminuindo e você está colocando a culpa no parceiro ou acha que o relacionamento está chegando ao fim? Pense duas vezes, pois o problema pode estar onde você menos imagina. O corpo humano é uma máquina delicada que sente os efeitos dos maus tratos que às vezes lhe impomos. Dormir pouco, exagerar na bebida alcoólica e fugir dos exercícios físicos são alguns fatores que diminuem a libido, mas há também quadros emocionais, como a depressão e a insatisfação com o próprio corpo , que podem atrapalhar a vida sexual. Confira a seguir se algum desses empecilhos está atrapalhando o sexo.

Leia mais

36 fatos sobre o orgasmo feminino que você nem imaginava

5 dicas para ter uma vida sexual de dar inveja a qualquer um

21 fatos curiosos sobre o orgasmo masculino que vão te surpreender

desejo sexual 1
Thinkstock

Poucas horas de sono: A ginecologista e sexóloga Sylvia Cavalcanti, presidente da comissão de sexologia da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), explica que a falta de sono causa estresse e eleva o nível do hormônio cortisol e do neurotransmissor adrenalina, que interferem negativamente na sexualidade. Há também uma diminuição dos níveis de testosterona, substância responsável pelo apetite sexual.

[[{"fid":"59031","view_mode":"default","fields":{"format":"default"},"type":"media"}]]

Álcool em excesso: O álcool em pequena quantidade diminui a inibição e pode até ajudar a vencer a timidez e a ansiedade nos momentos de intimidade. Mas em excesso ele pode diminuir a lubrificação na mulher e dificultar a ereção nos homens. Além disso, Sylvia Cavalcanti explica que as bebidas alcoólicas comprometem o sistema nervoso e a circulação sanguínea e, consequentemente, podem diminuir os reflexos responsáveis pelo orgasmo.

[[{"fid":"59032","view_mode":"default","fields":{"format":"default"},"type":"media"}]]

Sedentarismo: A prática dos exercícios aumenta a produção de testosterona, hormônio que aumenta o desejo sexual, e endorfina, que melhora a oxigenação dos músculos e a capacidade cardiopulmonar. No conjunto, os benefícios para o sexo são marcantes. Por isso, a falta deles é tem tanto impacto na libido.

[[{"fid":"59033","view_mode":"default","fields":{"format":"default"},"type":"media"}]]

Fraqueza dos músculos pélvicos: A musculatura da pelve feminina contrai e relaxa continuamente durante a relação sexual, o que faz dela um dos mais importantes agentes na obtenção do prazer. Mas o passar da idade e as possíveis gestações podem dificultar o funcionamento desses músculos, diminuindo a sensação de prazer. Existem soluções simples para esses problemas, como a fisioterapia uroginecológica, que através de exercícios específicos devolve força a esses músculos, e outras mais complexas, como cirurgias.

[[{"fid":"59034","view_mode":"default","fields":{"format":"default"},"type":"media"}]]

Baixa autoestima: Você já se olhou no espelho e não gostou do que viu? A insatisfação com a própria imagem é muito comum, principalmente entre as mulheres. Esta baixa autoestima afeta todos os aspectos da vida, mas, durante a relação sexual, a insegurança causada pelo problema fica evidenciada, a comunicação entre os parceiros fica mais difícil e, como resultado, o prazer é prejudicado e é iniciado um ciclo de diminuição do desejo sexual.

[[{"fid":"59035","view_mode":"default","fields":{"format":"default"},"type":"media"}]]

Depressão: Nem sempre é fácil identificar um quadro de depressão, pois seus sintomas comumente se confundem com outros problemas. Nesse caso, entre os sinais que o corpo dá está a queda da libido. Sylvia explica que uma das maiores dificuldades é que a maioria dos antidepressivos eleva o nível de serotonina, que melhora humor e disposição, mas não elevam o nível da dopamina, responsável pelo desejo. ‘Se esse é seu caso, converse com seu médico para que sejam utilizadas medicações que contribuam com a libido’.