mulher

Tipo de arritmia silenciosa atinge mais de 1 milhão de pessoas; veja se você pode ter

arritimia cardiaca  o que causa 1
thinkstock/bolsademulher

Nem sempre é fácil perceber quando o coração bate fora do compasso. Em algumas situações, uma arritmia pode te acompanhar por muito tempo sem que você nem desconfie. É o caso da fibrilação atrial, uma alteração do ritmo de contração do coração que pode ter graves consequências.

Leia tambémArritmia pode ser confundida com dor na coluna ou cansaçoDormir mal eleva chances de doenças cardíacas, obesidade e esquecimentosSer mulher e diabética te expõe a um risco muito maior de ter 3 doenças cardíacas

Fibrilação atrial: o que é? 

A fibrilação atrial é uma alteração do ritmo normal dos átrios, duas das 4 cavidades que compõem o coração. O impulso nervoso anormal faz com que essas "caixas" tremam enquanto se contraem para que haja a expulsão do sangue. Estima-se que a doença afete mais de 1 milhão de brasileiros.

Alguns fatores como hipertensão, diabetes, presença prévia de insuficiência cardíaca, idade superior a 65 anos, doença arterial coronariana, obesidade, insuficiência renal crônica, doença nas válvulas cardíacas, doença pulmonar obstrutiva crônica, apneia do sono, dentre outros, aumentam o risco de ocorrência desta arritmia.

Arritmia silenciosa 

Segundo o cardiologista Frederico Scuotto, do Hospital Samaritano, de São Paulo, quase 30% das pessoas que sofrem desta doença não apresentam nenhum sintoma. Aproximadamente 10% dos casos de fibrilação atrial só são descobertos quando o paciente sofre o Acidente Vascular Cerebral (AVC).

arritimia cardiaca  o que causa 2
thinkstock

Doenças causadas pela arritmia 

O especialista explica que a fibrilação atrial pode provocar a formação de coágulos no coração, que podem ser expelidos durante o batimento cardíaco.

Uma vez na corrente sanguínea, esses coágulos podem migrar para diferentes partes do corpo e causar diferentes tipos de trombose. Caso se desloquem para o cérebro, pode ocorrer um AVC, nas pernas podem gerar um tromboembolismo, e assim por diante.

Caso não seja adequadamente tratada, a fibrilação atrial também pode aumentar as chances de desenvolver insuficiência cardíaca e demência – doenças até 5 vezes mais prevalentes em quem tem a arritmia.

Como desconfiar da arritmia 

O especialista recomenda que pessoas com mais de 65 anos realizem a palpação regular do pulso, aumentando as chances de identificar a doença, que muitas vezes não dá sinais de sua presença. Também é indicado fazer visitas regulares ao cardiologista, principalmente se você tiver um ou mais fatores que aumentam as chances de ter arritmia.

Quando dá sinais, a doença pode se manifestar com fraqueza, dificuldade para fazer exercícios, fadiga, vertigem, falta de ar, dor no peito, desmaio, palpitações e falta de ar.