mulher

Fluxo menstrual muito intenso é normal?

fluxo menstrual muito intenso normal 1
Thinkstock

A duração e intensidade do fluxo menstrual varia para cada mulher, pois depende da quantidade de tecido descamado do útero, o que por sua vez está relacionado aos hormônios estradiol e progesterona. Outro fator que interfere é o intervalo entre as menstruações: quando longo, o a tendência é que haja um fluxo menstrual mais intenso

Leia também:Minha menstruação não para. É um problema?Minha menstruação veio pouca e escura. O que será?Barriga inchada na menstruação: médico explica e ensina a desinchar

"O assunto é controverso, mas considera-se normal um fluxo que dura de três a oito dias, sem coágulos, e com uso de até seis absorventes por dia", explica  a ginecologista e obstetra Patrícia de Rossi, do Conjunto Hospitalar do Mandaqui, em São Paulo.

Ciclo menstrual normal

De acordo com a médica, de uma forma geral a duração do ciclo menstrual gira entre cinco e oito dias, contando os períodos iniciais e finais, em que o fluxo é escasso e geralmente escuro, com um padrão de menstruação borra de café. "Isso é normal porque no começo e no final a quantidade de endométrio descamado é menor", diz.  Segundo ela, quem tem menstruação com fluxo intenso costuma ter também cólicas mais intensas.​ 

Fluxo intenso na menstruação

A principal preocupação nesses casos é o risco de anemia por deficiência de ferro, além do desconforto relacionado ao sangue nas roupas​. "Em mulheres jovens, o fluxo intenso costuma estar relacionado a ciclos irregulares ou muito prolongados, de mais de 35 dias. Isso também ocorre no período entre a idade fértil e a menopausa, na transição menopausal. Já em mulheres de 35 a 40 anos, pode ser sinal de algum problema no útero, como miomas ou adenomiose", explica.​ 

Se o fluxo menstrual intenso for recorrente, se houver suspeita ou diagnóstico de anemia, cólicas moderadas ou intensas, ou ciclos muito longos ou irregulares, é necessário consultar um médico. O tratamento irá variar conforme a causa primária do sintoma, mas inclui, de forma geral, anti-inflamatórios, antifibrinolíticos, contraceptivos hormonais combinados (pílulas anticoncepcionais), dispositivo intrauterino liberador de progesterona, progesterona cíclica, tratamento específico de causas orgânicas e, por vezes, até cirurgia para retirada de miomas ou do útero.