mulher

Com esclerose, Cláudia Rodrigues faz tratamento agressivo; entenda como é

esclerose multipla da claudia rodrigues 1
divulgação/rederecord - TV Globo / Renato Rocha Miranda

Afastada já há algum tempo da dramaturgia, a atriz Cláudia Rodrigues está tratando a esclerose múltipla de uma maneira diferente da tradicional. Segundo informações do programa "Domingo Show", da Rede Record, ela contou ter feito um transplante de células-tronco. Mas afinal, o que é isso e qual o impacto para a saúde?

Leia tambémEsclerose múltipla: tudo o que você precisa saber sobre a doençaEsclerose múltipla: sintomas e diagnóstico da doençaCélulas-tronco: o que são?

Transplante de células-tronco para esclerose múltipla: o que é? 

As células-tronco são capazes de tratar muitas doenças graças à sua capacidade de se diferenciar em vários tipos de células especializadas, como as células nervosas e da pele, por exemplo.

De acordo com a Multiple Sclerosis Society, instituição do Reino Unido para estudo da esclerose múltipla, existem 2 tipos de transplante de células-tronco que podem beneficiar a pessoa com esclerose múltipla:

  • Transplante com células-tronco hematopoiéticas: feito com células que crescem na matriz óssea e podem se diferenciar em células sanguíneas, esse tipo faz com que o sistema imune deixe de "atacar" o sistema nervoso;
  • Transplante com células-tronco mesenquimais: retiradas dos ossos, da pele ou da gordura, elas seriam capazes de promover a remielinização e melhorar a imunidade.

O transplante de células-tronco hematopoiéticas em pacientes com esclerose múltipla está sendo estudado por pesquisadores ao redor de todo o mundo e, por enquanto, só é recomendada em casos específicos segundo avaliação médica. Os resultados até agora são promissores e mostram melhora significativa da doença. O transplante com células-tronco mesenquimais está menos avançado em termos de pesquisa.

esclerose multipla da claudia rodrigues 2
TV Globo / Renato Rocha Miranda

Como é feito

O transplante com células-tronco hematopoiéticas é feito em quatro etapas:

  • Coleta das células-tronco da matriz óssea ou sangue da pessoa que será tratada;
  • Purificação e congelamento até o uso;
  • Quimioterapia para diminuir a imunidade do paciente;
  • Administração das células-tronco.

Efeitos colaterais 

O transplante de células-tronco é agressivo e requer que o paciente fique em isolamento por pelo menos um mês. Isso acontece porque a quimioterapia é intensa e a diminuição da imunidade torna a pessoa mais suscetível a infecções.