mulher

Zumbido no ouvido: o que é, causas e tratamento

zumbido no ouvido barulho no ouvido 159117170
Thinkstock

Aquele barulhinho chato que não para nunca e que ninguém mais escuta pode ser zumbido no ouvido. Apesar de passar despercebido algumas vezes, o zumbido costuma incomodar muito, principalmente quando a pessoa está em um ambiente silencioso.

Leia também

Por que o ouvido entope na serra? Entenda

Volume alto dos fones de ouvido é perigoso e pode causar surdez

Infecções de ouvido de crianças precisam ser bem tratadas

O que é zumbido no ouvido?

Classificado como um dos sintomas da perda auditiva, o zumbido atinge aproximadamente 17% da população mundial, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde, o que corresponde a cerca de 278 milhões de pessoas. Só no Brasil, o esse número chega a 28 milhões de indivíduos.

"Estimativas revelam que em 80% dos casos o zumbido é bloqueado pelo cérebro e o indivíduo não sente incômodo. Porém, em 15% dos casos, os pacientes sentem indisposições e 5% dos indivíduos têm o chamado 'zumbido incapacitante', que compromete a vida profissional, social e a saúde", explica a Rita de Cássia Cassou Guimarães, otorrinolaringologista e otoneurologista de Curitiba.

Causas do zumbindo no ouvido

Envelhecimento, exposição a ruídos, medicamentos, doenças e até traumas cranianos podem causar alguma lesão na estrutura do ouvido, que podem acarretar na perda de audição e, então no zumbido, que as pessoas costumam descrever como som constante do canto de uma cigarra, do apito de uma panela de pressão, barulho do chuveiro ou de insetos em geral. "Além disso, algumas pessoas podem exagerar nos "apertamentos" da musculatura mastigatória (como o bruxismo), o que causa a compressão de áreas vascularizadas próximas aos ouvidos, e os sinais enviados ao cérebro são interpretados como zumbido", afirma Rita.

Tratamento do zumbido no ouvido

Segundo a especialista, o zumbido é percebido de maneira subjetiva e individual, ou seja, cada indivíduo o sente de uma forma diferente, por isso, os tratamentos nem sempre são iguais. "É preciso avaliar a ou as causas, o grau do zumbido e o tempo que ele existe. Tudo isso pode interferir no tratamento", explica ela. Independente do tratamento, o principal é não deixar o zumbido ser o foco do dia. Rita ressalta ainda que o zumbido não causa surdez, por isso não há motivos para desespero.