mulher

Saiba identificar pintas que podem indicar câncer de pele

pintas cancer de pele hm
Thinkstock

O mais frequente tipo de câncer entre brasileiros é o que surge na pele. Ele se manifesta principalmente por pintas e manchas que podem ser encontradas pelo corpo. Contudo, podem ser confundidas com as que são naturais à pele e acabar passando despercebidas. Diferenciá-las é possível: algumas características próprias podem indicar quando uma pinta é mais do que uma simples marca.

Leia também

Bárbara Evans tem câncer de pele aos 22 anos; entenda o melanoma

Câncer de pele de Hugh Jackman: ator teve carcinoma basocelular; conheça

Desvende mitos e verdades sobre o câncer de pele

[[{"fid":"","view_mode":"default","fields":{"format":"default","field_file_image_description[und][0][value]":""},"type":"media","link_text":null,"attributes":{}}]] Características como assimetria, cor ou bordas diferentes podem ajudar a identificar uma pinta que indique câncer de pele (Créditos: Thinkstock)

A avaliação deve levar em conta alguns aspectos como assimetria, bordas irregulares, cores múltiplas, diâmetro maior que 6 mm e tempo de evolução. Pintas que coçam, doem e sangram regularmente, por exemplo, exigem maior atenção, assim como aquelas que surgem e crescem rapidamente.

Notando qualquer uma dessas alterações, é importantíssimo procurar um médico. Isso porque, quanto mais cedo o problema for descoberto, maiores são as chances de cura. Atualmente, com a tecnologia dando passos largos, é possível ter um diagnóstico muito mais preciso e certeiro que garanta o tratamento certo, graças às imagens em alta definição fornecidas por aparelhos de última geração.

Segundo a dermatologista Tatiana Steiner, essas máquinas computadorizadas têm capacidade de ampliar a visualização de lesões cutâneas de 20 a 70 vezes, possibilitando análise, diagnóstico e laudos detalhados sobre cada problema. "A análise de pintas é determinante no diagnóstico de lesões atípicas e do câncer de pele. Com o equipamento, o médico consegue obter detalhes e informações que, unidos ao seu conhecimento técnico, contribuem para uma avaliação ainda mais precisa e precoce", explica a médica, diretora técnica da DSkin Laser e Novas Tecnologias.

Exames para diagnosticar câncer de pele

Esses equipamentos ultramodernos realizam dois tipos de exames: a Dermatoscopia Digital e o Mapeamento Corporal Total. O primeiro facilita ao médico observar detalhadamente as características das pintas que podem indicar a doença e é imprescindível para quem tem histórico familiar e pessoal de câncer de pele. Identificando o problema, o médico indica uma biópsia de pele.

Já o Mapeamento uso as imagens em alta definição para apresentar um levantamento completo de pintas e manchas no corpo do paciente, podendo armazenar as informações a atualizá-las periodicamente. "O mapeamento é a documentação fotográfica em alta resolução de toda superfície corporal. Repetindo o exame, conseguimos identificar com bastante segurança a evolução de uma mancha específica, o surgimento de outras pintas ou qualquer outra lesão preocupante", relata a Dra. Tatiana.

De acordo com a especialista, esses exames podem evitar intervenções desnecessárias. "Tendo certeza de que uma pinta é benigna, por exemplo, não há necessidade de retirá-la". A frequência com que uma pessoa deve fazer o acompanhamento de pintas e manchas na pele vai depender sempre da avaliação de um médico.

Pintas que indicam câncer de pele

[[{"fid":"","view_mode":"default","fields":{"format":"default","field_file_image_description[und][0][value]":""},"type":"media","link_text":null,"attributes":{}}]] Infográfico divulgado pela Bristol-Myers Squibb usou como fontes as instituições Skin Ceutical, World Lifestyle e INCA-Instituto do Câncer (Créditos: Divulgação/Bristol-Myers Squibb)

Usar protetor solar todos os dias é essencial para evitar o câncer de pele. No vídeo, aprenda tudo sobre esse produto tão importante.