Homem pode ter câncer de mama; entenda

cancer de mama homem think200129410 001
Thinkstock

Segundo tipo de câncer mais frequente no mundo e muito mais comum entre as mulheres, o câncer de mama também pode atingir os homens. O caso é raro, mas acontece. Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), a proporção pessoas do sexo masculino com a doença é de 1 para cada 100 casos femininos.

Leia também

Quando precoce, câncer de mama tem 98% de chances de cura

Câncer de mama pode não ser percebido com o toque

Entenda a cirurgia de reconstrução mamária após câncer nas mulheres

O problema costuma aparecer nos homens entre os 50 e 60 anos e, geralmente, em estágio avançado. Isso porque a demora no diagnóstico acontece graças à falta de conhecimento ou mesmo preconceito contra a doença.

Causas do câncer de mama masculino

[[{"fid":"","view_mode":"default","fields":{"format":"default","field_file_image_description[und][0][value]":""},"type":"media","link_text":null,"attributes":{}}]] Uso de anabolizantes ou hormônios pode provocar o câncer de mama em homens (Créditos: Thinkstock)

Alterações genéticas, hormonais, alimentação rica em gorduras, excesso de álcool ingerido e uso de anabolizantes ou de hormônios são fatores que podem desencadear o câncer nos homens.

É preciso realizar o autoexame para que possa identificar alguma irregularidade na mama. Praticar exercícios físicos e apostar em uma dieta saudável aliada à alimentação contra o câncer de mama são grandes formas de prevenir a doença.

Tratamento

Assim como na mulher, o tratamento do câncer de mama no homem vai depender do estágio da doença. Depois do autoexame e da mamografia, o médico oncologista poderá optar por uma cirurgia de retirada da mama. Quando necessário, o paciente passa ainda por quimioterapia ou radioterapia.

Como é a cirurgia

A mesma reconstrução feita no sexo feminino é possível nos homens. Contudo, nas mulheres, são usados retalhos de tecidos e implante de prótese mamária, diferente do que acontece para o sexo masculino. "No homem, devido à sua anatomia torácica, não há necessidade de reconstrução do volume e as técnicas têm como objetivo o melhor resultado estético da região peitoral, o adequado posicionamento das cicatrizes finais e o fechamento da ferida cirúrgica", explica o cirurgião plástico Dr. Alderson Luiz Pachecho.

Os procedimentos mais comuns são exerese da glândula mamária ou ginecomastia, que dão o resultado estético desejado e reconstituem a anatomia local. Isso retoma a autoestima do paciente e promove a reabilitação física e social.