mulher

Enxaqueca: sintomas e tratamentos

enxaqueca mitos e verdades

Cerca de 95% das pessoas terão, no mínimo, uma crise de enxaqueca ao longo da vida. No entanto, há muitas dúvidas sobre o que realmente desencadeia esse problema. O neurologista André Felício, do Hospital Israelita Albert Einstein, esclarece dez mitos e verdades sobre as dores na cabeça, enxaqueca e cefaleia.

Leia também:

Lúpus: doença silenciosa pode ter consequências graves

Má circulação sanguínea: 10 dicas para prevenir e tratar

Aromaterapia aumenta imunidade e combate a gripe

Enxaqueca: o que é

A enxaqueca é sempre hereditária: Mito

Embora existam casos de enxaqueca familiares, é comum que indivíduos desenvolvam episódios de enxaqueca, esporádicos ou crônicos, sem que existam membros na família com uma dor semelhante.

Toda dor de cabeça que pulsa ou lateja é uma enxaqueca: Mito

O fato de a dor ser pulsátil ou latejante reforça tratar-se de enxaqueca. Mas é perfeitamente possível que um indivíduo tenha enxaqueca e sua dor não seja pulsátil, apresentando, porém, outras características como sintomas de um lado só da cabeça, intensidade da dor moderada a forte, e piora com exercício ou atividade física.

A enxaqueca só acontece em adultos: Mito

A enxaqueca pode ocorrer em qualquer faixa etária, inclusive crianças e adolescentes, quando é mais comum em meninos do que meninas. Pode ocorrer também pela primeira vez em indivíduos acima de 60 anos. Porém, não é uma situação comum e, normalmente, o médico responsável sugere investigação complementar por imagem, a fim de excluir outras causas mais graves e que iniciam na terceira idade.

Sintomas da enxaqueca

Existe enxaqueca sem dor: Verdade

É uma situação incomum e curiosa, desenvolvida por uma minoria. É um sinal neurológico focal que normalmente antecede a dor, como por exemplo, a aura visual, na qual o indivíduo tem alterações visuais e só depois de 10 a 15 minutos desenvolve a crise propriamente dita. Há também a aura sem enxaqueca, uma situação na qual só existem os sintomas neurológicos focais, sem dor.

A enxaqueca melhora durante a gravidez: Verdade

A enxaqueca é mais frequente em mulheres do que homens porque nelas as flutuações hormonais servem como fator desencadeante e agravante da dor. Durante a gestação, entretanto, a grande maioria das mulheres experimenta um alívio das suas crises, em particular, no segundo e terceiro trimestres.

Tratamento da enxaqueca

Existe uma dieta para enxaqueca: Verdade

Alguns alimentos estão associados à enxaqueca, como queijos amarelos e outros derivados do leite, produtos enlatados, molho vermelho, bebidas alcoólicas, etc. Cabe ressaltar que esta lista de alimentos pode desencadear dor em alguns indivíduos, mas não em outros, ou seja, existem variações individuais.

Botox para enxaqueca funciona: Verdade

A toxina botulínica já é um tratamento previsto em bula para a prevenção da enxaqueca crônica, quando os pacientes já fizeram medidas terapêuticas sem sucesso. Os resultados são muito bons, mas o tratamento deve ser indicado corretamente.

Exames de tomografia ou ressonância de crânio fazem o diagnóstico da enxaqueca: Mito

Nenhum exame complementar faz diagnóstico de enxaqueca. Aliás, não é necessário qualquer exame de imagem do cérebro para diagnosticar esta síndrome. Existem indicações muito claras para solicitação de exames complementares na investigação de cefaleia, mas normalmente isto se deve a alguns sinais de alarme, aos quais o médico fica atento, para investigar situações específicas.

Muito remédio para dor de cabeça provoca mais dor de cabeça: Verdade

Existem diversas estratégias para tratar a enxaqueca, mas uma das principais é cortar o uso excessivo, muitas vezes abusivo, dos analgésicos. Isto perpetua um ciclo vicioso de sensibilização, leva a efeito rebote e auxilia a perpetuar a enxaqueca.

Não existem medicações específicas para o tratamento da crise de enxaqueca: Mito

Há, pelo menos, duas classes de medicações que são específicas para o tratamento das crises agudas de enxaqueca: os ergotamínicos e triptanos. São remédios com diferentes ações farmacológicas, mas, de maneira geral, promovem vasoconstrição cerebral.