Câncer colorretal: o que é, sintomas e tratamentos

cancer colorretal capa2
Thinkstock

Tumor muitas vezes confundido com a hemorroida, o câncer colorretal tem altíssimas chances de ser curado quando detectado em estagio inicial. Veja quais são os sintomas da doença e quando é necessário procurar um médico.

Veja também:

Câncer de intestino: saiba o que é

Alimentos que ajudam no combate ao câncer

Mulheres que tiveram câncer podem engravidar?

O que é o câncer colorretal

O intestino é um órgão do corpo humano dividido em duas partes. O intestino delgado, que é o mais comprido, está ligado ao estômago e é responsável por completar a digestão e absorver o restante dos nutrientes fornecidos pelos alimentos. Já o intestino grosso é bem menor e é a parte final do sistema digestivo. É nele que aparece o câncer colorretal. "Esse tipo de câncer é um tumor na parte final do intestino", explica o médico Gustavo Fernandes, diretor técnico do Centro de Oncologia do Hospital Sírio Libanês, de Brasília.

A doença é maligna e muitas vezes é a transformação de um tumor benigno não detectado e tratado. "As células machucadas vão se acumulando e formando um pólipo. Essa verrugazinha vai crescendo e tendem em anos transformar-se em um adenocarcinoma", descreve, Fernandes.

Câncer colorretal x hemorroida

Segundo o especialista, como um dos principais indícios do câncer é a presença de sangue nas fezes, muitas vezes ele pode ser confundido com os sintomas da hemorroida. "A hemorroida é uma dilatação das veias que ficam ao redor do ânus. Quando dilatadas, elas ficam sensíveis e sangram com qualquer trauma", relata o oncologista.

Portanto, mesmo que o paciente tenha o diagnóstico de hemorroida, ele deve procurar um especialista sempre que houver sangramento. "O sangue nas fezes é um sinal de alerta para que o paciente volte ao médico para ser novamente avaliado", orienta o especialista. Segundo Fernandes, a confusão pode retardar o diagnóstico e reduzir as chances de cura.

Sintomas do câncer colorretal

"O hábito intestinal é muito individual, mas, sempre que o ritmo de evacuação mudar repentinamente ou o paciente demorar mais de três dias para evacuar ou for ao banheiro mais de três vezes ao dia, é importante procurar um especialista", alerta o médico.

Além da alteração na frequência da evacuação, Gustavo também diz que os sintomas do câncer colorretal podem ser:

  • Diarreias frequentes;
  • Dores abdominais;
  • Aumento do volume abdominal;
  • Perda de peso;
  • Perda de apetite;
  • Dor ao evacuar;
  • Dor abdominal;

Diagnósticos e tratamento

[[{"fid":"","view_mode":"default","fields":{"format":"default","field_file_image_description[und][0][value]":""},"type":"media","link_text":null,"attributes":{}}]] Câncer colorretal tem altas chances de cura se diagnosticado no começo (Crédito: Thinkstock)

diagnóstico do câncer colorretal é feito através do exame clínico e da colonoscopia. "Na consulta a gente consegue fazer o toque e analisar até 10 cm do intestino. Se houver a suspeita, o paciente é encaminhado a uma colonoscopia. Além de avaliar o intestino grosso inteiro, o exame já permite recolher uma amostra de material para ser analisado", explica o oncologista.

Caso a doença se confirme, o tratamento deve ser traçado com o médico especialista. Para os tumores mais altos, ou seja, mais para dentro do intestino, o tratamento é via cirurgia seguido de quimioterapia. Já para os tumores mais próximos ao reto, é possível discutir a possibilidade de unir radio e quimioterapia. "Se é possível fazer a rádio e a quimio, a gente tenta. Isto evita que o paciente seja submetido a uma cirurgia e o tratamento aumenta a chance do tumor sumir", diz Fernandes.

Diagnóstico precoce e a cura

Segundo o especialista, se o diagnóstico do câncer de colorretal for precoce, as chances de cura são altíssimas. "A qualquer suspeita é importante fazer a colonoscopia porque o câncer colorretal é um tipo que, se tratado a tempo, pode tem índices de 90% de cura", alerta o oncologista, enquanto o diagnóstico tardio pode resultar em metástase pra outros órgãos. Para Fernandes, o check-up a partir dos 50 anos é imprescindível para o rastreamento da doença.

A doença envolve tabus e o médico tranquiliza. "A colonoscopia pode parecer constrangedora, mas o exame é feito com a pessoa sedada e ela não sente absolutamente nada. O exame é seguro e tranquilo e o paciente pode ir embora no mesmo dia", explica.