mulher

Alimentos que têm fama de prevenir o câncer, mas que não passam de mitos

mitos prevencao cancer
Thinkstock

Apesar de a comunidade científica realizar estudos contínuos para entender a relação entre dieta e câncer, pouco se sabe sobre o real papel da alimentação na prevenção da doença. Se antes acreditava-se que os alimentos eram a causa de até 40% dos casos, hoje, essa parcela caiu para apenas 3%, com muitas questões ainda a serem desvendadas.

Leia também:

Calorias em excesso, sedentarismo e cigarro somam 70% das causas do câncer. Conheça outras

Chance de cura do câncer é de pelo menos 80% com terapia-alvo. Entenda como funciona

5 alimentos deliciosos que reduzem o colesterol ruim

Segundo explica o radioterapeuta e professor Dr. Luis Pinillos Ashton, ex-ministro da Saúde do Peru e fundador do Instituto Internacional de Investigação para a Prevenção (IPRI, na sigla em inglês), inúmeros nutrientes e vitaminas que antes eram tidos como fatores preventivos tiveram sua eficácia descartada por estudos mais aprofundados. Ele defende que a falta de dados conclusivos na área acaba gerando alguns mitos. "Há muita informação equivocada porque ainda nos falta conhecer muita coisa. Vamos aprendendo a cada dia."

Estudos com nutrientes

Certos micronutrientes e vitaminas, como betacaroteno, ômega 3 e ácido fólico, foram avaliados em ensaios randomizados, experimentos em animais e estudos epidemiológicos para que se pudesse determinar sua relevância na prevenção do câncer. Porém, até agora, nenhum demonstrou de forma definitiva que é capaz de reduzir o risco da doença. Na verdade, alguns revelaram efeitos adversos e até mesmo um discreto aumento no risco.

Dieta e câncer: o que é mito?

Dr. Pillinos cita alguns dos "mitos nutricionais" e alerta que a suplementação desses nutrientes em pessoas que têm uma dieta já balanceada e completa pode causar prejuízos ao organismo. Em alguns casos, a hipótese de prevenção não foi descartada, apenas não conclusiva.

mitos prevencao cancer 1
Thinkstock

Betacaroteno. Presente na cenoura, laranja, abóbora e outros alimentos, além de não ter tido sua eficácia na prevenção do câncer provada, dois estudos revelaram que pode aumentar o risco de câncer de pulmão em fumantes.

mitos prevencao cancer 2
Thinkstock

Vitaminas A, C e E. Tomate, laranja, folhas verdes escuras, limão, pimentão e nozes são alguns dos alimentos ricos nessas vitaminas, que não tiveram sua eficácia na prevenção do câncer comprovada.

mitos prevencao cancer 3
Thinkstock

Vitamina D. Obtida através do sol, suplementos nutricionais e alimentos de origem animal, produziu resultados contraditórios e, portanto, não pode ser considerada um fator preventivo.

mitos prevencao cancer 4
Thinkstock

Multivitaminas. Nenhum teste feito com preparos multivitamínicos produziu resultado positivo.

mitos prevencao cancer 5
Thinkstock

Selênio. Os testes feitos com suplementação deste mineral não são conclusivos. A castanha-do-pará é um dos alimentos mais ricos no nutriente.

mitos prevencao cancer 6
Thinkstock

Ácido fólico. Presente em grande quantiade no fígado de galinha e boi, lentilhas e espinafre, estudos randomizados indicam a vitamina pode aumentar o risco de alguns tipos de câncer, se consumida durante muito tempo.

mitos prevencao cancer 7
Thinkstock

Cálcio. Nenhum teste comprovou que a suplementação com cálcio pode reduzir o risco de câncer colorretal, como se acreditava antes. O nutriente é encontrado no leite e derivados, espinafre e soja.

mitos prevencao cancer 8
Thinkstock

Ácidos graxos ômega-3. As ‘gorduras do bem’, encontradas no salmão, azeite, nozes e outros alimentos, não foram eficazes na proteção do câncer ou de eventos cardiovasculares.

mitos prevencao cancer 9
Thinkstock

Chá. Por conter compostos polifenólicos, que são antioxidantes, o chá foi considerado por algum tempo como preventor do câncer. No entanto, os estudos epidemológicos não foram conclusivos.

*A repórter Marianna Feiteiro viajou entre 16 e 18 de julho de 2014 a Guadalajara, no México, a convite da Roche Brasil para evento para jornalistas da América Latina com objetivo de discutir os avanços da saúde na região, inovação e biotecnologia.