mulher

O efeito Facebook no seu bem-estar

O efeito Facebook no seu bem estar 0
iStockphoto/Thinkstock

O efeito Facebook no seu bem-estar é positivo, afirma uma investigação realizada nos Estados Unidos, na Universidade de Portsmouth. Para muitos, o Facebook está relacionado com o controle sobre a vida de outras pessoas, mas a pesquisa indica que não é bem assim. 90% dos usuários desta rede social acessam o site para sentir-se melhor. Os números do estudo também mostram que 75% daqueles que a utilizam conseguem elevar o estado de espírito pelo simples fato de olhar as próprias fotos.

Banindo os sentimentos negativos

O objetivo deste estudo era avaliar o impacto do Facebook no estado psicológico dos usuários. A condutora da investigação, a Dr. Alice Good, observa que esta rede social é comercializada como um veículo de comunicação entre as pessoas. Todavia, a análise demonstra que na verdade as pessoas o utilizam para conectar-se com o “eu passado”, principalmente quando há necessidade de sentir-se reconfortado no presente.

Para a doutora, a maioria das fotos postadas são de eventos positivos, que evocam boas lembranças. “E quando o indivíduo está preso nas garras da negatividade é muito fácil esquecer que a vida também é marcada pelos momentos prazerosos. E as mensagens positivas, e os registros de momentos felizes, nos relembra essa verdade”, citou.

[[{"fid":"","view_mode":"default","fields":{"format":"default","field_file_image_description[und][0][value]":""},"type":"media","link_text":null,"attributes":{}}]]

Outros estudos discordam destes números. O resultado que predomina é de que o Facebook, na verdade, piora o estado de ânimo, principalmente daqueles que utilizam esta rede todos os dias. Considerando o fato de que apenas 114 pessoas foram avaliadas para que se chegasse a conclusão desta pesquisa da Portsmouth, novos estudos, com o mesmo teor, já surgem nos planos da instituição. “Pretendemos aprofundar a análise. Novos grupos, com mais integrantes, deverão ser entrevistados. Queremos apresentar resultados concretos e consistentes”, salientou a doutora.

Uma das principais preocupações em estabelecer números no que diz respeito a este efeito do Facebook no bem-estar, é porque existe a intenção da Comunidade Científica em dar um “curtir” especial nesta rede. Acalenta-se a ideia de ter o Facebook como aliado no combate a distúrbios psicológicos. Entreter-se com o conteúdo idealizado por Mark Zuckerberg poderá ser uma das mais novas armas contra a ansiedade e a depressão.

[[{"fid":"","view_mode":"default","fields":{"format":"default","field_file_image_description[und][0][value]":""},"type":"media","link_text":null,"attributes":{}}]]