mulher

Sono em dependência

2105

Quem tem uma relação conturbada com Morfeu sabe muito bem a importância que algumas boas horas de sono têm para o funcionamento do corpo e da mente. Por isso mesmo pode ser tentador saber que numa certa caixinha, com uma tal tarja preta pintada, moram alguns comprimidinhos com o mágico poder de fazer o sono chegar em poucos minutos. O problema é que, mais rápido do que se imagina, ceder a essa tal tentação pode se transformar em um perigoso hábito, ainda mais tendo como álibi o velho jeitinho brasileiro que faz com que remédios vendidos apenas com prescrição médica circulem livremente por muitas mesinhas de cabeceira.

Tranqüilizantes, hipnóticos e sedativos são as classes de remédios mais utilizados no Brasil e nos Estados Unidos. Estima-se que cerca de 20% da população desses dois países já usaram ou estão usando calmantes, autorizados ou não pelos médicos. "Apesar de só poderem ser adquiridos legalmente com receita, esses medicamentos circulam quase que livremente, seja pela falta de fiscalização das secretarias de saúde nas farmácias ou pelo uso irresponsável de alguns médicos", denuncia a psiquiatra Miriam Albuquerque.

Existem basicamente quatro tipos de medicamentos utilizados para induzir o sono. A buspirona, ansiolítico presente em comprimidos como o Buspar e o Ansitec, o zolpiden e o zolpiclone, conhecidos comercialmente como Lioram e Imovane, e os benzodiazepínicos, mais comuns, como o Valium e o Lexotan. "Esse é o tipo mais perigoso no que se refere à dependência e à tolerância", garante a Dra. Miriam. Os benzodiazepínicos também modificam a arquitetura do sono, causando uma supressão da sua fase mais pesada, o que acaba gerando uma sensação de sono artificial. "Durmo, mas não me sinto descansada no dia seguinte. Não é uma coisa natural, não tem sonho, acordo me sentindo estranha, como se tivesse passado um tempo desligada da tomada", comenta a socióloga Tereza Coutinho, que faz uso esporádico de medicamentos do tipo, receitados por seu clínico geral.

O psicofarmacologista Bernardo Campana alerta que os benzodiazepínicos devem ser usados pelo menor tempo possível, em função do alto risco de dependência. "Todas essas medicações precisam de acompanhamento clínico periódico para examinar a evolução do tratamento, comportamento dos sintomas e níveis de tolerância e dependência", acrescenta ele. No entanto, como todo mundo sabe, não é sempre isso o que acontece. "Precisei normalizar o sono depois de um jet-lag e consegui uma receita de Dormonid com a veterinária do meu cachorro. Sabia dos riscos de dependência se fizesse uso indiscriminado do comprimido, mas uma pessoa desavisada poderia acabar se dando mal, tomando aquele remédio todo dia", assume a bancária Elizabeth Pinho.

O maior risco dos remédios para dormir é mesmo a dependência. Com o uso freqüente, o organismo desenvolve uma tolerância ao princípio ativo, fazendo com que uma dose maior do medicamento seja necessária para que o mesmo faça efeito. "Aí cria-se uma bola de neve e o que deveria ser usado como recurso valioso em uma terapia, acaba se transformando em doença", diz a Dra. Miriam. Segundo ela, calmantes funcionam como analgésicos para a dor emocional e só devem ser utilizados quando essa dor existir. "Esses comprimidos apenas aliviam os sintomas, não tratam nada. Não podem se transformar em hábito, só devem ser tomados quando existir uma insônia que impossibilite o descanso e justifique seu uso", acredita.

No entanto, os calmantes e indutores de sono não devem ser temidos. Prescritos com responsabilidade por profissionais e utilizados em tratamentos, eles são armas importantíssimas. "Muita gente tem medo do psiquiatra, acha que é médico de louco, que vai encher todo mundo de remédios que dopam. E muitos clínicos gerais não se sentem à vontade em indicá-lo aos pacientes, com medo de ofendê-los. Nenhum remédio sozinho resolve a vida de ninguém, ele não pode ser usado como uma fuga", afirma a Dra. Miriam, lembrando também que os medicamentos não são a única saída para os problemas da insônia. "Da mesma maneira que procuramos um ortopedista quando temos dores na coluna, devemos aceitar uma consulta ao psiquiatra quando temos, por exemplo, dificuldade em dormir. Um bom profissional saberá avaliar corretamente cada caso e pesar os prós e contras de cada tratamento", conclui.