O poder de transcender

Você já reparou que nas técnicas milenares orientais de prática de exercícios sempre há uma pausa para meditação? E apesar de milenar, a meditação pode ser bem útil na estressante atualidade. Meditar não faz bem apenas para a mente, mas também melhora (e muito) a saúde. Isso é comprovado por mais de mil estudos sobre a prática, realizado por grandes universidades, como a Harvard, nos EUA.

Sabia que meditar combate o estresse e a ansiedade, melhora a criatividade e ainda pode ajudar a retardar o envelhecimento, entre outras coisas? É claro que a prática não cura todos os males, mas é um método que equilibra o ser humano, unindo o corpo, mente e espírito. Entre os principais benefícios para a saúde, a meditação pode reduzir o risco de infarto e derrame cerebral, além de reforçar o sistema imunológico, reduzir emoções destrutivas, como medo e raiva e, ainda, aumentar a produção de hormônios calmantes e reduzir o nível de cortisol, o hormônio do estresse. Também pode aliviar a insônia e melhorar a percepção da memória. Mas se você não sabe ainda como meditar, lembre-se, é importante seguir alguns passos, tais como: escolher um horário que possa manter uma regularidade, reservar um lugar para meditar, fazer algum alongamento antes de se sentar com coluna, pescoço e cabeça alinhados, fechar os olhos (evitando ter sono) e se concentrar apenas na respiração.

Precisamos de uma perseverança aguçada para poder meditar. Não há concentração sem antes acalmar a mente. E uma mente com 60 mil pensamentos passando diariamente não é tão simples de se aquietar

A instrutora de yoga paulista Lúcia Rodrigues conheceu a meditação em 1982 quando um monge indiano a ensinou a prática. "Foi a coisa mais importante que aprendi na vida", atesta. As descobertas a respeito de si mesma que ocorreram nesta época foram inúmeras, segundo ela, com um mundo novo se descortinando à sua frente em uma experiência totalmente transformadora. O mesmo se deu com Antônio Tigre que, atualmente, é professor de yoga do Espaço Nirvana, no Rio de Janeiro. Há dez anos, ele largou tudo para se dedicar integralmente à yoga e à arte de meditar, ensiando-as para outras pessoas. "Muita coisa mudou na minha vida depois que eu comecei a meditar, mas o melhor mesmo foi que eu me tornei uma pessoa mais feliz. Antes eu nem podia perceber como eu era ansioso e triste", confessa.

Antônio explica que existem inúmeras formas de meditação e que elas são praticadas há milênios ao redor do planeta. "Cada ordem religiosa possui a sua. Existem também as meditações não religiosas que utilizam as técnicas para aquietarem a mente como, por exemplo, a transcendental. Eu sigo a ‘Siddha Yoga', que significa a união para a perfeição. A meditação é uma entre as diversas práticas yogues e o objetivo fundamental é encontrar a felicidade interior, ou seja, a divindade que habita todos os seres do universo", enfatiza o professor.

Auto-realização

O empresário capixaba Luciano Farias é adepto da meditação há oito anos. Ele começou seguindo orientações das técnicas universais da meditação hindu até chegar ao Paramahansa Yogananda, grande mestre oriental que, em 1920, trouxe o yoga para o Ocidente, criando a Self-Realization Fellowship. A meditação (‘dhyan', em sânscrito) é uma técnica científica, que constitui em observar o que acontece dentro de si mesmo, afima o empresário. "As pessoas acham que sentar-se de pernas cruzadas como um yogue e fechar os olhos já estarão meditando. E não é bem assim", confirma. Meditar, explica ele, é tirar a atenção dos pensamentos, projeções e emoções e trazer a consciência de volta para a própria respiração. "Não é fácil manter o foco de atenção na respiração, por isso os mestres brincam ao denominar esse momento de ‘estágio dos macacos'", diz. A sabedoria, segundo Luciano, é o tesouro de maior valor que podemos buscar e ela pode ser alcançada facilmente com a prática da meditação transcedental.

Estágios da meditação

Nem todo mundo tem paciência para aprender a meditar e silenciar a mente. Isso é fato. "Mas o iniciante terá de atravessar alguns estágios para chegar no estado em que a mente torna-se meditativa", explica a instrutora de yoga Lúcia Rodrigues, reforçando também a necessidade do auxílio de um mestre. As próprias pesquisas recentes, informa ela, descrevem que passa pela mente humana em torno de 60 mil pensamentos por dia, sendo que 90% são pensamentos repetitivos. "Precisamos de uma perseverança aguçada para poder meditar. Não há concentração sem antes acalmar a mente. E uma mente com 60 mil pensamentos passando diariamente não é tão simples de se aquietar", explica Lúcia.

Para ela, a meditação possibilita às pessoas manterem-se conectadas com seu real poder, sua criatividade. "Com a prática, a consciência começa a se mover de forma natural e criativa, libertando o praticante de seus condicionamentos sociais e familiares que tanto o aprisionam a mente", afirma ela. Já a criança, diz Lúcia, está constantemente presente, iluminada e repleta de amor. Com os condicionamentos, ela se afasta desse estado natural de ser. Segundo Antônio Tigre, do Espaço Nirvana, meditar é muito simples e a prática constante traz a perfeição. "O ideal é começar cinco minutos por dia, regularmente no mesmo horário. E, depois de um tempo, naturalmente, a pessoa entra em meditação. Mas, o importante é experimentar o tipo de meditação que você mais se identifica e abrir um espaço na sua rotina para cuidar da saúde do corpo, mente e espírito", conclui.