mulher

Compulsão alimentar: o que fazer?

compulsao alimentar o que fazer

A compulsão alimentar, ou impulso alimentar, é uma das grandes vilãs quando o assunto é dieta e, segundo dados da Associação Americana de Psiquiatria, atinge até 4% da população geral e 6% dos obesos. É também apontada como a principal causa da obesidade, do sobrepeso e do efeito sanfona nas pessoas que tentam emagrecer.

Leia também:

Dieta Atkins: emagreça com a dieta da proteína

Dieta Dukan emagrece de forma rápida e definitiva

O que é detox, cardápio ideal e alimentos proibidos na dieta desintoxicante

O problema acontece quando, mesmo com toda a força de vontade, a pessoa acaba não resistindo aos alimentos doces ou gordurosos. Outra característica da compulsão alimentar, é o assalto à geladeira durante a noite.

Dicas para evitar a compulsão alimentar

Evite colocar todos os pratos de comida na mesa

Segundo o endocrinologista Alfredo Cury, proprietário do Spa Posse do Corpo, em Petrópolis (RJ), assim fica mais fácil resistir à compulsão. "Quando você coloca toda a comida na mesa, fica mais fácil repetir, seja porque está muito gostoso ou porque você está ali sentada fazendo companhia para alguém. A tentação é realmente um grande problema", diz.

Diga não à restrição[[{"fid":"","view_mode":"default","fields":{"format":"default","field_file_image_description[und][0][value]":""},"type":"media","link_text":null,"attributes":{}}]]

Dietas muito restritivas ou que excluam certos grupos de nutrientes, como os carboidratos, por exemplo, não são recomendadas. "A chamada monotonia alimentar pode levar à compulsão. Por isso também devemos incluir na dieta alimentos fonte de triptofano (banana, oleaginosas, leite), magnésio (aveia, arroz integral, vegetal verde escuro) e vitamina B6 (levedo de cerveja, ovo, aveia)", explica a nutricionista Marcela Frias, da Clínica Dicorp.

Coma na hora certa[[{"fid":"","view_mode":"default","fields":{"format":"default","field_file_image_description[und][0][value]":""},"type":"media","link_text":null,"attributes":{}}]]

"Evite longos períodos em jejum, pois isso só aumenta a vontade por alimentos ricos em açúcar e gordura. E respeite os horários das refeições, incluindo os lanchinhos do meio da manhã e da tarde, procurando sempre o equilíbrio", afirma Cury.

Faça substituições inteligentes[[{"fid":"","view_mode":"default","fields":{"format":"default","field_file_image_description[und][0][value]":""},"type":"media","link_text":null,"attributes":{}}]]

Quando bater aquela vontade de comer um focinho, faça a escolha certa e opte por uma banana ou outra fruta. "A banana pode ser assada também, pois ela fica naturalmente mais doce, também aconselho colocar aveia, que dá sensação de saciedade", sugere a nutricionista.

Busque ajuda psicológica

[[{"fid":"","view_mode":"default","fields":{"format":"default","field_file_image_description[und][0][value]":""},"type":"media","link_text":null,"attributes":{}}]]"A compulsão alimentar está ligada às emoções. É muito comum uma pessoa se voltar para a comida quando está nervosa ou ansiosa", explica Márcia Rissato, terapeuta floral da Rescue formada pelo Instituto Bach do Brasil. Ela indica três florais - Cherry Plum, Crab Apple e Chestnud Bud - que ajudam a manter as emoções sob controle e não deixar cair nas tentações. "A fome é uma necessidade fisiológica que o organismo tem de repor a energia gasta para sobreviver. Já o impulso está diretamente ligado às emoções e não é uma necessidade. É um hábito", afirma.