mulher

Cólicas menstruais > Livre-se da dor

5068
Divulgação

Existem várias maneiras de se tratar a cólica. De acordo com a ginecologista Mariana Maldonado, colunista do Bolsa de Mulher e autora do livro "Palavra de Mulher", da Editora Integrare, o tratamento ideal não se resume apenas a eliminar a dor, mas sim, inibir a produção de prostaglandina. "Não adianta tomar remédio na hora que está sentindo a dor porque o organismo já vai estar cheio da substância. No máximo, você vai eliminar o problema naquele momento", explica ela, que indica também a Homeopatia.

Quando a dor é insuportável, analgésicos, anti-espasmódicos e antiinflamatórios podem ser usados, mas com orientação médica. Não espere, porém, que tudo se resolva desta forma. Metade das brasileiras ouvidas pelo estudo afirma que nem os medicamentos para a dor melhoram significativamente os sintomas. Quase 65% das entrevistadas definem suas cólicas como intensas - um número 14% maior do que a média mundial!

A pílula anticoncepcional aparece em primeiro lugar como opção para sanar a cólica, mas Mariana Maldonado lembra que isso não deve ser considerado um tratamento para o problema. "Pode até ser, mas existem casos em que as mulheres que não sentiam cólica começaram a sentir depois de tomarem pílula", alerta. Existem, ainda, alguns anticoncepcionais contínuos, isto é, que podem impedir a menstruação - logo, nada de cólicas!

Algumas atitudes saudáveis podem ajudá-la a eliminar as dores. Ao contrário do que muita gente imagina, fazer exercícios é uma excelente terapia. "A atividade física aumenta a produção de endorfinas e de analgésicos naturais que vão atuar em todo o corpo, inclusive no órgão reprodutor", explica Mariana. A conhecida bolsa de água quente, ao ser colocada no ventre, ajuda a diluir a prostaglandina e os coágulos de sangue e pode ser usada sem problemas.

De acordo com a ginecologista, atualmente não existem justificativas para as mulheres ficarem sofrendo com o problema. "Existem inúmeras maneiras para resolver a questão. Se isso lhe incomoda, por que não buscar uma solução? É só escolher o melhor método com o seu médico", conclui a médica.