Mulheres sofrem violência e abuso principalmente de seus conhecidos, diz IBGE

violencia contra a mulher 0
Thinkstock

Mais um dado alarmante sobre a violência contra a mulher veio à tona nesta terça-feira (2): as agressões contra pessoas do sexo feminino partem, em sua maioria, de pessoas conhecidas. De acordo com o segundo volume da Pesquisa Nacional de Saúde 2013 do IBGE, 3,1% das mulheres brasileiras com mais de 18 anos – um total de 2,5 milhões de mulheres – já foi vítima de agressão física, verbal e emocional de autoria de conhecidos, como pai, irmão, marido, amigos ou pessoas do convívio em geral.

Já em relação aos homens, 1,8% deles sofreu o mesmo tipo de agressão de pessoas conhecidas. No geral, incluindo homens e mulheres, uma média de 2,5% da população brasileira com mais de 18 anos foi vítima de violência por parte de conhecidos. As regiões com maior incidência são Norte, com 3,2% e Sul, com 3%.

A pesquisa ainda mostra que pessoas de 18 a 29 anos, com ensino fundamental completo e ensino médio incompleto, são as que mais sofreram agressões de autoria de indivíduos de seu convívio.

O quadro muda de figura quando a violência parte de desconhecidos: 3,7% dos homens brasileiros maiores de 18 anos (por volta de 4,6 milhões) já foi vítima deste tipo de agressão, seja física, verbal ou emocional. As mulheres estão um ponto percentual abaixo: 2,7% sofreram violência de pessoas desconhecidas. O Norte é a região com maior número de casos, com 5%.

Para fazer a média da pesquisa, o IBGE esteve em pouco mais de 80 mil domicílios espalhados pelo país inteiro.

violencia mulher texto
Thinkstock

Violência contra a mulher acontece também em casa

Nunca se discutiu tanto a questão da violência contra a mulher no país. E muito do que se tem falado é exatamente essa questão apontada pela pesquisa do IBGE: a violência dentro de casa. Mulheres que são obrigadas a fazer sexo com os maridos sem vontade (o que caracteriza estupro), os casos de universitárias estupradas pelos próprios colegas enquanto estavam inconscientes em festas da USP, abuso cometido por colegas de classe,  entre outros casos.

E esses debates levantam outra questão que costuma causar polêmica: parte da sociedade que julga que a mulher teria "culpa" em relação aos abusos conta da vítima. Até por conta disso, existe um sentimento muito grande de culpa entre mulheres vítimas. É importante ressaltar que a vítima nunca é culpada: estar bêbada, com uma roupa curta ou qualquer outra situação não dá direito a ninguém de abusar ou estuprar uma mulher.

Como denunciar

A mulher que passa por um caso de violência sexual pode procurar a polícia ou ligar para o 180, número da Central de Atendimento à Mulher, do Governo Federal. O essencial é não desistir da denúncia, já que o processo costuma ser longo.

O primeiro passo é ir a uma delegacia e abrir um Boletim de Ocorrência e, depois, abrir um processo contra o homem que a agrediu. Só assim é possível que a lei aja em favor dela.

Nós também sofremos abuso: 14 relatos das repórteres do Bolsa de Mulher