Pais de 11 crianças com Síndrome de Down dão relatos de amor em ensaio lindo

A fotógrafa Julie Wilson, de Nova Jersey, nos Estados Unidos, reuniu 11 crianças de 0 a 5 anos com Síndrome de Down em outubro de 2015 para uma sessão fotográfica ao ar livre. O intuito de Julie, que perdeu uma irmã com a síndrome em 2011, é o de conscientizar as pessoas.

Inspiração para fotos 

“Dina nasceu em 1975 com Síndrome de Down e foi absolutamente a luz de nossa família”, declarou a fotógrafa ao jornal Huffington Post. A menina faleceu decorrente de uma insuficiência cardíaca congestiva.

“Fotografar essas 11 crianças trouxe muitas lembranças ótimas da minha irmã”, comentou Julie.

Os pais da criança levaram seus filhos voluntariamente para a sessão depois de verem um anúncio da fotógrafa. Algumas pessoas chegaram a viajar por três horas para participar do evento.

“Ver como as fotos se tornaram virais e quanta atenção receberam me fizeram perceber que é preciso aumentar a conscientização sobre as crianças com Síndrome de Down”, refletiu em entrevista ao jornal.

Julie diz que sua irmã serviu de inspiração para que ela fizesse esse ensaio porque ainda hoje existem pessoas que recomendam a interrupção da gestação por causa do diagnóstico de Síndrome de Down. Além disso, os pais costumam ser informados apenas dos aspectos negativos sobre o futuro dos filhos, em vez dos positivos.

Crianças com Síndrome de Down

Todas as fotos foram publicadas no site ONG Nothing Down, que é dedicada à sensibilização sobre a Síndrome de Down.

Ao lado de cada uma das fotos, os pais falam sobre seus filhos e como foi a reação deles quando souberam que teriam uma criança especial.

Os pais deram conselhos sinceros e os relatos são emocionantes. Confira a seguir a série de fotos e um pouco sobre cada criança:

“Zach é um lutador. Não havia expectativa de que ele sobrevivesse à gravidez, mas sobreviveu. Ele não é nem de longe a criança que os médicos previram que ele seria. É alegre, envolvido e amoroso. Está sempre pronto para te dar um abraço ou um carinho”.

“Quando você escuta aquelas palavras: 'Seu filho tem Síndrome de Down', a primeira coisa que eu diria é permita-se ter um tempo para sofrer. Deixe você mesmo ficar bravo. Deixe você mesmo ficar triste. Saiba que estes sentimentos não fazem de vocês pais horríveis. Eles só fazem de vocês humanos. Eles são normais e precisam ser trabalhados ao seu tempo e do seu jeito”.

“Olivia chama atenção não importa aonde a gente vá. Ela é muito sociável e prende a sua atenção mesmo se você não estiver olhando. Ela vai ficar gritando 'oi' até você olhar para ela. Eu não sei o que a minha vida seria sem ela. Eu suponho que muito chata! Olivia é uma verdadeira bênção e milagre de Deus”.

“Ultrassons, consultas com especialistas, idas ao hospital que ficava a uma hora de casa, onde eu tive que repousar por causa de um possível defeito cardíaco que poderia exigir uma cirurgia logo após o nascimento, uma coisa de cada vez. Ela nasceu de 31 semanas, ela era perfeita”.

“Ele [Finnegan] tem uma pureza sobre ele e uma certa sabedoria em seus olhos. Ele ama com todo o coração, com toda força, completamente e de forma incansável. Tem, sem dúvida, o melhor senso de humor. E ele acorda, todos os dias, com um sorriso que é capaz de iluminar todo o quarto. FinnegaN é o nosso anjo aqui na Terra”.

“Os avanços não fazem parte de um cronograma rígido, seu bebê vai se desenvolver com a sua compreensão, apoio e encorajamento. Sim, isso pode ser tudo novo para você. Sim, isso pode parecer esmagador. Sim, você pode não se sentir à altura do desafio. Vamos apenas dizer: você é capaz”.

“É incrível observar cada avanço de Aiden sabendo que ele tem que se esforçar mais para chegar lá. Nós ficamos cada vez mais orgulhosos, mas você consegue ver pelo rostinho dele que ele também fica muito orgulho, até mais do que nós! Ele aproximou nossa família e amigos apenas sendo ele mesmo e tornou todos nós pessoas melhores, mais atentas, mais tolerantes. Nós não poderíamos imaginar a vida sem ele”.

“Ir de onde nós estávamos para onde estamos agora levou tempo, muitas lágrimas, toneladas de abraços e muito amor e apoio da nossa família e dos nossos amigos (...). É ok ter todos os tipos de sentimentos e emoções. É ok sentir que você não quer continuar, que isso não é justo e se questionar porque isso está acontecendo com você”.

“Kennedy é muito mais do que um diagnóstico. Ela é Kennedy Lillian Schoell antes de ser qualquer outra coisa. Kennedy tem Síndrome de Down, mas ela também é uma menina que tem sonhos, objetivos, amor, diversão e ambição igual aos meus outros dois filhos. A felicidade de Kennedy com a vida é admirável”.

“Cada um lida com as emoções de um jeito, eu lidei chorando. Dizer que eu não fiquei devastada seria uma mentira. Em um piscar de olhos, um dia que era para ser comemorado estava cheio de lágrimas e preocupação. Eu pensei que nossas vidas mudariam para sempre devido à falta de informação. Ninguém foi nos felicitar pelo nascimento da nossa bela menina. Em vez disso, nos disseram tudo que Kennedy não ia fazer”.

“Raegan precisou realizar uma cirurgia cardíaca aos 3 meses de vida e quando o nosso doce milagre acordou da anestesia, abriu os olhos e, imediatamente, sorriu para nós. Essa é a nossa menina. Ela é o nosso pequeno raio de sol. É praticamente impossível ter um dia ruim com ela em nossas vidas”.

“Senti como se meu coração tivesse quebrado em um milhão de pedaços. O que isso significava para nós, nossa família, nosso casamento? Como eu contaria para as pessoas? Isso foi algo que a gente causou? Por não saber muito sobre a Síndrome de Down, eu rapidamente imaginei o pior cenário apenas com base nos estereótipos que existem”.

“Toda vez que ele aprende algo é uma celebração. Robby ama ficar com a gente, sentar conosco e ler livros, tocar tambores, pegar nossos aparelhos eletrônicos, brincar com blocos e muitas outras coisas. Nós não conseguimos imaginar a vida sem ele”.

“A todos os pais que receberem o diagnóstico de Síndrome de Down, eu encorajo a parar e respirar... e é ok chorar. Você deve sentir que os seus sonhos e esperanças para o seu filho foram frustrados, mas, por favor, saiba que isso não é verdade”.

“Meu filho Michael tem 2 anos de idade e é a melhor coisa que já aconteceu para mim e para a minha família. Do momento que ele acorda até o momento que ele vai para a cama a noite, ele tem um constante sorriso em seu rosto”.

“Um dia de cada vez! Não pense no futuro porque se você fizer isso você vai ficar preocupado! Eu aprendi ouvindo as histórias de outras pessoas que todas as crianças são diferentes!”.

“Quando Carly nasceu, nossa família lamentou a perda da 'criança normal' que nós estávamos planejando. Entretanto, nós rapidamente percebemos que Carly era exatamente o 'normal' que nós precisávamos”.

“Meu conselho seria encontrar apoio. Entre em contato com outras famílias com crianças com Síndrome de Down. Compartilhe os seus sentimentos, faça perguntas, seja honesto com vocês mesmo. É maravilhoso o quão melhor você se sente após escutar histórias incríveis de força, amor e felicidade”.

“Alexa não dá ouvidos para o que ela não pode fazer, ela faz tudo parecer possível. Seu sorriso traz a alegria em um instante. Nós continuamos nos surpreendendo com o que ela superou e como continua se superando. Ninguém olha para ela e vê a Síndrome de Down. As pessoas olham para ela como uma menina bonita que está pronta para enfrentar o mundo”.

“Pesquisa vai dar a você uma grande quantidade de informação, o que pode ser esmagador. É ok fazer perguntas e pedir ajuda. Apenas saiba que sua criança vai te trazer muita alegria. Pode parecer que a sua vida mudará para sempre. Isso é verdade, vai mudar, mas para melhor”.

Tristan é inteligente, persistente, forte, obstinado e sabe o que quer. Ele adora comer e dançar! Também é muito saudável e capaz de qualquer coisa que ele põe em sua cabeça. Nunca desiste e não tem medo. A pessoa que ele mais gosta é o seu irmão de 5 anos, Jael, seu protetor, companheiro de brincadeiras e melhor amigo. O amor dos dois é o mais bonito e especial que já vi. 

“Vocês foram escolhidos entre 1.000 pessoas para criar um ser especial de Deus, e é exatamente o que era para ser. Embora você possa estar se perguntando porque isso aconteceu com você, você está longe ser azarado. Você é abençoado”. 

Síndrome de Down não é doença: cartilha esclarece sobre como lidar com a deficiência