mulher

Endometriose: Infertilidade e tratamento

shutterstock 105604859
shutterstock_105604859

De 30% a 40% das mulheres que têm endometriose encontram dificuldade para engravidar. Ao passo que, das pacientes inférteis (que não engravidam após um ano de relações sexuais no período fértil), em até 50% dos casos a origem do problema é a própria causa. Os motivos para a infertilidade variam. Em pacientes com doença avançada, a causa pode estar na obstrução da tuba uterina por uma lesão, impedindo que o óvulo chegue ao espermatozóide. Nesse caso, o fator é anatômico. Em episódios de endometriose mais branda, a infertilidade pode ser causada por questões hormonais e imunológicas.

É sempre bom lembrar, entretanto, que endometriose está longe de ser sinônimo de infertilidade. Para quem tem a doença e ainda não pensa em filhos, a história da secretária Irene Dias é prova de que você não deve sofrer por antecipação. "Eu tenho 32 anos e fiquei sabendo que tinha endometriose com 27. Minhas menstruações sempre foram muito dolorosas, a ponto de não conseguir ficar em pé. Tive que retirar um dos ovários, porque nele havia um grande cisto causado pela doença. Mas graças a Deus, a endometriose não me impediu de ser mãe. Tenho uma filha e um filho que são tudo na minha vida. Me considero muito feliz".

Leia também:

Endometriose: diagnóstico tardio é um dos desafios

Problemas para engravidar

Estima-se que 20% da população em idade reprodutiva tem problemas de infertilidade

Diagnóstico

O exame ginecológico, a história clínica da paciente e exames como a ultrassonografia podem sugerir a presença da endometriose. Mas o diagnóstico só é definitivo quando realizada uma biópsia, feita através de um procedimento cirúrgico chamado laparoscopia. "Não é necessário abrir a barriga como numa cesárea. São feitos uns furinhos na região do abdome, através dos quais se introduz uma câmera. Nós identificamos as lesões e fazemos a biópsia utilizando instrumentos cirúrgicos delicados que também são introduzidos pelos pequenos furos", descreve o Dr. Marco Aurélio, acrescentando que, logo que as lesões são identificadas, é possível iniciar o tratamento já durante a cirurgia.

Tratamento: suspender a menstruação

A cirurgia de laparoscopia não é, porém, curativa. "Não basta operar e pronto. Tem que ter um acompanhamento médico constante", frisa Marco Aurélio Oliveira. O tratamento consiste principalmente no controle da menstruação. "Como é durante a menstruação que a doença surge, qualquer tratamento que bloqueie o sangramento menstrual evita que a doença progrida e que os sintomas apareçam. Enquanto a mulher não estiver menstruando, a doença não retorna", garante o ginecologista, frisando que suspender a menstruação não deixa uma mulher infértil. "Pelo contrário, inibir o sangramento faz com que se controle a doença, o que aumenta a chance de engravidar", ressalta.

Apesar da endometriose não levar à morte, não existe uma cura definitiva. Por outro lado, houve uma grande evolução no tratamento. "Atualmente, a dor e os sintomas da doença podem ser bastante reduzidos", garante Marco Aurélio. Para quem tem formas leves de endometriose e que não deseja engravidar, o tratamento clínico pode ser feito com anticoncepcionais (orais ou injetáveis) que bloqueiam a menstruação. Já quando a mulher tem a intenção de ser mãe, trata-se com cirurgias e medicações hormonais (progestógenos, danazol e análogos do GnRH). "O tratamento cirúrgico é feito, preferencialmente, através da laparoscopia, mesma cirurgia utilizada para diagnosticar a endometriose. As lesões, conhecidas como miomas - tumores benignos - são destruídas geralmente com laser", esclarece o ginecologista.

Os cinco principais objetivos do tratamento são: aliviar e reduzir a dor; diminuir o tamanho dos implantes (miomas); reverter ou limitar a progressão da doença; preservar ou restaurar a fertilidade; e evitar ou adiar a recorrência da doença. Segundo os especialistas, o fator mais importante no tratamento são as ações terapêuticas associadas ao planejamento da gravidez pelo casal. A maior parte dos sucessos terapêuticos ocorre depois da primeira cirurgia bem planejada. Repetidos atos cirúrgicos não são recomendáveis, pois aumentam a chance de surgirem as chamadas aderências, tão prejudicais quanto as próprias lesões. Em alguns casos severos, técnicas como a inseminação artificial e a fertilização assistida podem ser a solução para conseguir engravidar.