mulher

Menininha autista dá lição sobre preconceito em bilhetes para a mãe: é de fazer chorar

Uma cartinha escrita pela pequena Cadence, menina autista de apenas sete anos, viralizou na Internet e deu uma verdadeira lição sobre preconceito. O post, compartilhado pela mãe em sua página do Facebook chamada "I am Cadence" (Eu sou Cadence) já teve mais de mil compartilhamentos.

Leia também:Vídeo emocionante mostra que amor é maior que todas as diferenças; assistaFrancês escreve a terroristas após perder mulher em atentado: carta comove o mundoDa Mata publica carta EMOCIONANTE sobre adoção após "não desejar filho da barriga"

A carta é, na verdade, um diálogo com a mãe, e começou com Cadence perguntando se ter autismo fazia dela uma menina má. A mãe questionou as razões da pergunta e ela então respondeu que muitos adultos dizem que é difícil para os pais terem filhos com autismo. "Nasci com autismo, mas não nasci má", escreveu.

O diálogo levou a mãe às lágrimas e ela resolveu compartilhá-lo como forma de alertar para o que os filhos andam ouvindo de outros adultos, na escola, na comunidade em que vivem ou até mesmo dos próprios pais. "Que aprendizados elas estão internalizando a partir dessas mensagens", questionou. No mesmo post ela falou ainda sobre as diferenças sensoriais da filha, enfatizando que, como muitas crianças autistas, ela ouve, vê e observa todos os detalhes ao seu redor. Veja na íntegra: 

- O autismo faz com que eu seja má?

- O que faz você se perguntar se o autismo te faz má?

- Os adultos sempre dizem que é difícil ser mãe ou pai se seu filho tem autismo e dizem na TV que seu autismo pode machucar as pessoas. E que crianças autistas precisam ser colocadas separadamente para manter os outros seguros. 

- Você acha que eu acredito que essas coisas são verdadeiras?

- Não.

- O que você acredita?

- Eu não gosto de magoar as pessoas. Eu não gosto de ser assustadora. Eu nasci com autismo, mas não nasci má. Você está chorando?

- Sim. Tenho lágrimas de felicidade por você saber o que é verdade. E tenho lágrimas de tristeza porque há muitas pessoas que não sabem.