mulher

Legalizar o aborto ou não? Veja opiniões sobre o tema polêmico

legalizacao do aborto ou nao tema polemico
Thinkstock

descriminalização do aborto sempre foi um assunto polêmico. Enquanto algumas pessoas são a favor de políticas públicas que atendam a mulheres que desejam, por alguma razão pessoal, interromper a gravidez, há as que se dizem totalmente contra.

Leia também:Assédio sexual: mulher, a culpa não é suaQuanto tempo posso engravidar após aborto?Dicas para evitar gravidez não planejada e DSTs

O tema ganhou ainda mais repercussão depois que o atual presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), que é evangélico, declarou em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo que não irá pautar o tema para votação. "Só por cima do meu cadáver", disse.

Campanha a favor do aborto

[[{"fid":"121108","view_mode":"default","fields":{"format":"default","field_file_image_alt_text[und][0][value]":"","field_file_image_title_text[und][0][value]":"","field_file_image_copyright_overriden[und][0][value]":"Thinkstock","field_file_image_description[und][0][value]":"No Facebook, mulheres postam fotos grávidas e apoiam quem optou por interromper a gravidez","field_link[und][0][title]":"","field_link[und][0][url]":"","field_file_image_id[und][0][value]":""},"type":"media","link_text":null,"attributes":{"style":"line-height: 1.538em; float: right;","class":"media-element file-default"}}]]A posição do deputado fez com que algumas mulheres iniciassem uma campanha no Facebook a favor da descriminalização do aborto. A pedagoga Gabriela Moura, grávida pela segunda vez, escreveu um texto se posicionando sobre o tema. Até o momento, há mais de 33 mil curtidas e quase 8 mil compartilhamentos. 

A postagem gerou um debate e então outras mulheres começaram a também postar em suas páginas fotos de quando estavam grávidas, falando da decisão de ter filhos e demonstrando apoio às mulheres que, ao contrário delas, optaram por terminar a gravidez.

"As minhas gestações são as minhas gestações e jamais poderia embasar decisões de mulheres, essas que suas histórias não conheço, essas que seus desejos não conheço, essas que suas dores e delícias não conheço, por minhas experiências felizes na gestação e maternidade", disse. "Eu sou totalmente favorável à descriminalização do aborto, ao respeito às mulheres e suas escolhas e seus corpos". (Leia o post completo sobre aborto da pedagoga Gabriela

Aborto pode salvar vidas?

Para defensores da causa, a descriminalização seria benéfica e ajudaria até mesmo a salvar vidas. Um dos argumentos é que a proibição do aborto e a ilegalidade do ato não impede que nenhuma mulher aborte, mas sim que busque formas clandestinas de fazê-lo, o que acaba tendo consequências sérias. Segundo dados do Ministério da Saúde, embora não haja uma forma de fazer um cálculo exato, fazer aborto é a quinta maior causa de morte de mulheres no Brasil.

Uma pesquisa do Instituto Guttmacher, nos Estados Unidos, divulgada pela BBC, mostrou também que a taxa de abortos em países onde é legal é praticamente igual à dos países onde é ilegal.

legalizacao do aborto ou nao tema polemico 1
Thinkstock

Quem é a favor do aborto?

"Com a possibilidade de abortar legalmente em mais situações, teremos menos mulheres mortas ou aleijadas por isso, pois só assim elas terão acesso aos recursos necessários. Em vez de penalizar uma mulher por um aborto, deveríamos questioná-la sobre os motivos pelos quais ela quer ser mãe", disse em entrevista ao site UOL a presidente da ONG Católicas pelo Direito de Decidir, Maria José Rosado.

O médico Dráuzio Varella também se posicionou favorável à descriminalização do aborto. Em um texto publicado em seu site oficial, ele diz que não há princípios morais ou filosóficos que justifiquem o sofrimento e morte de tantas meninas e mães de famílias de baixa renda no Brasil. "É fácil proibir o abortamento, enquanto esperamos o consenso de todos os brasileiros a respeito do instante em que a alma se instala num agrupamento de células embrionárias, quando quem está morrendo são as filhas dos outros. Os legisladores precisam abandonar a imobilidade e encarar o aborto como um problema grave de saúde pública, que exige solução urgente".