mulher

Cursos ajudam gestantes nos cuidados com o bebê

curso gestante
curso-gestante

Mariana Bueno

Do Bolsa de Bebê

A notícia de uma gravidez traz, junto com a alegria e a expectativa, muitas preocupações: Vou cuidar corretamente do bebê? Vai ser difícil trocar fraldas? Como fazer na hora do banho? E se eu não conseguir amamentar? Em busca da solução para esses questionamentos, é cada vez maior o número de mulheres que buscam os cursos de gestantes. "É um momento novo para o casal. Um bebê muito esperado, muito amado, mas ainda há uma visão romântica do momento e, quando acontece, chega também o cansaço e muitas coisas inesperadas. É trabalhoso. E não tem como fazer um manual, porque é um ser humano, mas é possível dar dicas úteis, identificar questões, aprender como reagir, etc. Antecipar conhecimento faz diferença", afirma a pediatra Ana Heloísa Gama, coordenadora do curso SOS Mamãe, no Rio de Janeiro.

Como funcionam os cursos para gestantes?

Ela conta que criou o curso com base nas principais dúvidas das grávidas durante as consultas. A abordagem é teórica e prática, com tópicos como amamentação, banho do bebê, troca da fralda, curativo do umbigo e assuntos gerais como preparação do enxoval, mudanças na vida do casal, ter ou não babá, depressão pós-parto, entre outros. "Trabalho com turmas pequenas, de no máximo 10 casais, para que eu consiga dar atenção a todos eles", diz.

A ideia é que tanto as futuras mães quanto os futuros pais participem. "Nos últimos 12 anos a participação dos homens tem sido crescente. Antes tinham muita resistência, mas agora eles mesmos procuram, ficam animados quando começam a aprender. O pai que apoia a mãe ajuda muito, além de criar uma relação mais próxima com o bebê", afirma.

Curso para grávidas: depoimento de quem fez

A jornalista Joanna Collares Espinha, mãe de um menino de oito meses, diz que o curso que fez aos sete meses de gestação foi essencial. "Eu queria muito fazer para aprender e ficar um pouco mais segura para cuidar e amamentar o bebê. No início meu marido teve o maior preconceito e não queria fazer. Foi um pouco difícil convencê-lo mas, quando ele chegou nas aulas, viu outros pais e aprendeu na prática, com um boneco que usamos para treinar o banho, a troca de fraldas e de roupa. Ele gostou muito", lembra.

Para Joanna, a principal preocupação era em relação ao banho e à amamentação. "No meu caso e do meu marido, não tivemos contato mais de perto com outros bebês, pois nossas famílias são de fora do Rio de Janeiro e há poucas crianças. Nunca tínhamos dado banho num bebê, trocado uma fralda... O curso nos ajudou a entender melhor esse universo e aprendemos com as dicas que foram dadas. Achei super válido e indico sempre para as minhas amigas", conta.

Dúvidas sobre amamentação

De acordo com a pediatra, a amamentação é realmente a maior dúvida das mães. "Elas têm consciência da importância de amamentar, mas têm medo de não conseguirem, de terem algum problema. Por isso fazemos um treinamento prático, com posição, postura e técnicas para evitar ferimentos nos seios", explica. Já em relação ao parto, ela diz que prefere não abordar o assunto, para não induzir as gestantes. "Eu, como médica, não quero influenciar. A decisão cabe ao obstetra de cada mulher. Quando me perguntam, sempre digo para confiarem nos seus médicos", finaliza.

Leia também:

Ginecologista explica diferenças entre parto normal, natural, humanizado, cesárea e cócoras

Saiba quais são os cuidados fundamentais durante a gravidez

Pediatra esclarece dúvidas de mamães de primeira viagem