mulher

Clamídia causa infertilidade? Médico explica a DST que pode roubar suas chances de engravidar

clamidia e gravidez 2
Thinkstock

A clamídia é uma infecção genital transmitida sexualmente – tanto em homens quanto em mulheres e está entre as DSTs mais disseminadas no mundo, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, quase 10% das mulheres entre 15 e 24 anos atendidas pelo SUS contraíram a bactéria, que além de prejudicar a saúde pode provocar esterilidade, gravidez ectópica (fora do útero) e dificultar as chances de gestações futuras.

Leia também:Doença inflamatória pélvica pode causar infertilidadeInfecção urinária na gravidez pode causar aborto espontâneoNão consigo enagrevidar. Quais exames fazer?

Para esclarecer as principais dúvidas sobre a clamídia, o ginecologista Dr. Paulo Giraldo alerta sobre as questões a que as mulheres precisam se atentar.

Clamídia e dificuldade para engravidar

Se não diagnosticada e tratada em estágio inicial, a doença pode provocar inflamações pélvicas, gravidez nas trompas e, por fim, infertilidade. "Além disso, a bactéria pode causar dores abdominais durante e depois da relação sexual e dor ao urinar", alerta o médico.

clamidia e gravidez 1
Thinkstock

Transmissão

É possível pegar clamídia por meio de roupas íntimas, assentos sanitários, banheiras ou piscinas? Segundo o médico, não. "A bactéria é transmitida sexualmente durante relações vaginais, orais ou anais. Por isso, o uso de preservativo é indispensável", explica o médico.

Clamídia só é transmitida na penetração vaginal?

Segundo o especialista, a penetração não é o único fator de risco. "As secreções produzidas antes da penetração anal ou vaginal, tanto pela mulher quanto pelo homem, podem conter a bactéria e infeccionar o parceiro", afirma.

Como saber se tenho clamídia?

A doença é difícil de ser percebida por ser pouco sintomática, por isso é importante diagnosticá-la precocemente, consultando-se com um médico regularmente. "É preciso fazer um teste específico que utiliza a mesma amostra recolhida para diagnóstico de HPV", explica o ginecologista. Vale lembrar que outros exames, como Papanicolau e ultrassom não detectam a presença da doença.