mulher

Bombinha de tirar leite elétrica ou manual: qual é melhor? Especialista explica

bombinha tirar leite capa
Crédito: Thinkstock

Seja para voltar ao trabalho, para deixar o filhote com outro cuidador ou para doações, ordenhar leite materno é sempre uma necessidade. No entanto, neste momento é natural surgiram dúvidas relacionadas ao melhor método: eu preciso comprar a bomba elétrica? A ordenha manual é melhor que a bombinha de tirar leite?

Leia também:Amamentação: qual é a quantidade suficiente?Benefícios da amamenatação para mãe e bebêDoação de leite materno: quem pode doar? Como fazer?

Como eu posso tirar meu leite?

O Ministério da Saúde preconiza a ordenha manual como a melhor alternativa para a obtenção de leite materno, no entanto, Luciana Herrero, pediatra peri-gestacional especialista internacional em amamentação afirma que, embora seja essencial que uma lactante saiba retirar seu leite com as mãos, a escolha para o dia a dia deve ser a mais cômoda e prática para a mulher. "O importante é que elas não fiquem dependentes apenas um ou de outro modo, mas cada mulher se adequa a uma forma. Para algumas a bomba elétrica é mais rápida, já para outas a ordenha manual mais prazerosa", diz.

Bomba elétrica

Desenvolvida com tecnologia que imita a sucção e as diferentes pressões feitas pelos bebês no momento da mamada, as bombas elétricas, embora mais caras, podem ser alternativas práticas para algumas mães. "A bomba elétrica faz uma massagem vibratória que imita os movimentos do bebê e por isso pode ser mais tranquilo para a mãe, que pode até desempenhar outras atividades enquanto ordenha", explica a pediatra.

Bombinha manual

Diferente são as bombas manuais, que dependem do empenho da lactante para preparar o bico do seio antes da ordenha. "Sempre antes de usar a bomba manual é preciso preparar o bico do peito e deixá-lo mais flexível para encaixar no lugar certinho", recomenda a especialista.

No entanto, os modelos de bombinhas para tirar leite são muito distintos e devem ser escolhidos com cuidado.As bombas mais sofisticadas são mais fáceis de serem higienizadas e, portanto, mais seguras.

Já as bombinhas em formato de pera, encontradas com facilidade em farmácias, são arriscadas. "O leite circula dentro daquela bolinha de borracha e os riscos de contaminação por proliferação de bactérias é muito grande", alerta Luciana.

Além disso, a pressão exercida por elas também pode se tornar um problema para mães que possuem fissuras nas aréolas. "É como se a gente colocasse um aspirador de pó em cima de um corte. É claro que ele vai abrir mais", exemplifica. É exatamente por isso que muitas mulheres acham que tirar leite com bombinha dói; Usando o modelo e forma adequados, no entanto, não há esse problema.

Bombinha de tirar leite: preço

O preço das bombinhas de tirar leite variam de acordo com a tecnologia e marca. As opções manuais em formato de pera com bolinha de borracha  - e que não são recomendadas - custam, em média, R$40,00. Já os modelos manuais indicados, que tiram leite de um lado de cada vez com o esforço das mãos da lactante variam de R$80,00 a R$300,00 dependendo da marca e modelo. As bombas elétricas à pilha e individuais são encontradas com preços de R$150,00 a R$900,00, enquanto as elétricas duplas a partir de R$1500,00.

Outra opção é o revezamento ou o aluguel. Grávidas podem comprar juntas ou então alugarem o equipamento de mulheres que não amamentam mais.

Ordenha manual

bombinha tirar leite 2
Crédito: Thinkstock

Orientada por consultores em maternidades, postos de saúde e bancos de leite, a ordenha manual é feita através da pressão que o dedo indicador exerce nas glândulas mamárias, através da região areolar. "Não é preciso preparar o mamilo para garantir a amamentação. Não precisa esfregar, retorcer ou passar bucha. O que uma gestante precisa saber para amamentar é ordenhar, seja para aumentar a sua produção, desempedrar, estocar ou doar", explica a pediatra.

*Todo o leite ordenhado deve ir para a geladeira por, no máximo, 24 horas. Também é importante manter o frasco esterilizado de vidro dentro do refrigerador, e não na porta, para que a temperatura seja constantemente a mesma.