Alta após parto normal: por que princesa Kate ficou menos de 24 horas no hospital?

kate middleton filha 1
Crédito: Getty Images

Charllotte Elizabeth Diana, segunda filha de Kate Middleton nasceu sábado (2) com 3,7kg. Após dar entrada ao hospital St. Mary, na Inglaterra,​ às 6 horas e ter tido sua filha aos braços às 8h42 da manhã (horário local), a esposa do príncipe William retornou para o palácio no fim da noite, com menos de 10 horas de internação. Com quase 42 semanas de gestação, trabalho de parto curto e rápida alta hospitalar, o caso chamou atenção.

Leia também:Roupas de grávida usadas por Kate MiddletonParto normal após cesárea é possível!Contato entre mãe e bebê na primeira hora de vida é essencial

Tempo de gestação

Há dez dias, quando a duquesa estava prestes a completar 40 semanas de gravidez, jornalistas já especulavam a indução do parto do segundo bebê real.

A ansiedade, no entanto, era antecipada. Segundo o ginecologista Jurandir Passos, do Delboni Medicina Diagnóstica, o ideal é que os bebês nasçam até a 40º semana. Mas, a idade gestacional não é regra. "Atualmente nós aguardamos até quase 42 semanas. Mas, nesses casos é preciso um acompanhamento mais próximo da gestante", explica.

A obstetriz Arielle Matos, formada pela Universidade de São Paulo,​ completa: "embora a literatura recomende que uma gestação não ultrapasse as 42 semanas, há casos em que elas seguem por mais tempo e os bebês nascem bem, pois cada um tem seu tempo para completar seu desenvolvimento e preparar-se para a vida fora do útero".

Nestes casos, essencial é o acompanhamento mais próximo da gestação. Para isso, alguns exames podem se realizados. Segundo o ginecologista existem quatro tipos:​

[[{"fid":"133103","view_mode":"default","fields":{"format":"default","field_file_image_alt_text[und][0][value]":"","field_file_image_title_text[und][0][value]":"","field_file_image_copyright_overriden[und][0][value]":"Crédito: Getty Images","field_file_image_description[und][0][value]":"Charllote nasceu pesando 3,7kg e com quase 42 semanas","field_link[und][0][title]":"","field_link[und][0][url]":"","field_file_image_id[und][0][value]":""},"type":"media","link_text":null,"attributes":{"style":"font-size: 13.0080003738403px; line-height: 1.538em; float: right;","class":"media-element file-normal"}}]]Mobilograma - "A gestante pode participar do controle do bem-estar do bebê observando a sua movimentação. Se ele está recebendo alimento e oxigênio suficiente, então é natural que ele reaja se mexendo a determinados estímulos".

Cardiotocografia – "O exame cardiotoco vai analisar a frequência cardíaca do bebê e as contrações uterinas da mãe".

Ultrassom com doppler – "A ultrassonografia com doppler serve para analisarmos o fluxo sanguíneo da mãe e do feto".

Perfil biofísico fetal – "Exame que dá nota para o bem estar do bebê de acordo com a sua idade gestacional, o perfil biofísico fetal também pode ajudar no acompanhamento da gestação".

Segundo Arielle, após as 41 semanas a mãe já deve ser monitorada com mais frequência nas clínicas ou hospitais, mas, o controle e a observação também devem ser feitos em casa. "Se o bebê não estiver se mexendo por longos períodos ou respondendo aos estímulos como o balanço da barriga, ou se houver sangramento ou perda de líquido, a gestante deve procurar um hospital para avaliação", explica.

O que determina o sucesso dos casos é a assistência. "Muito mais importante do que definir idades específicas, é ter em mente que enquanto mãe e bebê estiverem bem, é possível esperar. O Ideal é que as gestantes sejam bem assistidas e orientadas pelos profissionais que as acompanham no pré-natal para os sinais de alerta e caso sintam necessidade procurem um hospital", orienta a obstetriz.

Tempo de internação

Outro fator que despertou a curiosidade de quem acompanhou o nascimento da filha de Kate Middleton e do príncipe William foi o tempo que a duquesa ficou internada. Charllote nasceu às 8h34 da manhã e as duas receberam alta no começo da noite do mesmo dia. Na Inglaterra, as gestante são acompanhadas durante toda a gestação por obstetrizes. Durante o parto, se tudo correr bem, são elas também as responsáveis pela assistência. Os médicos são solicitados apenas em casos de intercorrência. Duas profissionais acompanharam a duquesa, uma delas já conhecida pelo auxílio no parto do primeiro filho, George.​

"Neste caso a mãe e o bebê devem ter tido alta para receber os cuidados do pós-parto em casa, porque é muito importante que a mãe fique em observação para monitorar possíveis hemorragias e para que o bebê, caso desenvolva alto grau de icterícia, seja tratado a tempo", diz o ginecologista.

​Segundo Maria Helena Bastos, obstetra com mestrado e doutorado feitos na Inglaterra, a alta médica por lá pode levar ainda menos tempo. "Eles recomendam alta com 6h após o parto normal e mantém um esquema de atenção domiciliar após o parto que envolve agentes comunitários de saúde, assistentes de maternidade e parteiras", disse à coluna Maternar, da F. de São Paulo.

No Brasil, a portaria 1.016 de 1993 estipula que mulheres que tiveram filho de parto normal devem ficar sob observação hospitalar por 48 horas. Para Jurandir, mais importante do que os cuidados com a mãe, são aqueles destinados ao bebê. "É preciso verificar como está a pega da mama, se ele está perdendo peso, verificar se não está  ficando muito tempo de jejum, controlar o nível de glicemia e monitorar o desenvolvimento da icterícia", explica.

kate middleton filha 3
Crédito: Thinkstock

Outros especialistas, no entanto, discordam da portaria nacional. "Hospital não é ambiente para bebê e mãe saudáveis. A portaria é rígida e muito antiga e não tem evidência científica que estipula esses prazos como adequados", declara a pediatra e epidemiologista coordenadora da Comissão Perinatal Sonia Lansky à Maternar.