mulher

Sangramento depois do parto é normal, mas requer atenção

sangramento pos parto 1
Sangramento depois do nascimento do bebê é natural (Crédito: Thinkstock)

Para muitas mulheres a menstruação atrasada é o primeiro alertar para uma possível gravidez. Após o parto, o sangramento reaparece e preocupa algumas mamães. Segundo a ginecologista Érica Mantelli, o sangramento depois do parto é normal e deve durar, em média, 40 dias.

Leia também:Anticoncepcional após o parto: saiba usarTomar pílula por muito tempo causa infertilidade?Anticoncepcional atrapalha a amamentação?

Sangramento depois do parto

Diferente da menstruação, o sangramento do puerpério é a eliminação do material que revestia o útero durante a gestação. "Quando uma mulher engravida, o endométrio, parte que reveste a parede interna do útero e é eliminada em forma de menstruação a cada ciclo menstrual, fica retido para o desenvolvimento do feto. Com o fim da gestação, essa parte deve ser eliminada pelo organismo", explica a médica.

Entretanto, mesmo sendo natural, este sangramento deve ser sempre observado. Caso ele apresente um cheiro desagradável, venha coagulado e intensamente acompanhado de febre e calafrios, um médico deve ser consultado imediatamente.

Ovulação depois do parto

Além do sangramento, depois do parto é natural que a mulher fique por um período sem ovular até que seu corpo se estabilize hormonalmente. "Isso acontece devido aos hormônios que são produzidos durante o aleitamento materno que bloqueiam a ovulação", conta Érica.

Com a diminuição da amamentação através da introdução alimentar ou com a interrupção dela, os ovários voltam a funcionar e, portanto, a mulher volta a ficar fértil.

Posso engravidar depois do parto?

[[{"fid":"","view_mode":"default","fields":{"format":"default","field_file_image_description[und][0][value]":""},"type":"media","link_text":null,"attributes":{}}]]

Segundo Érica Mantelli, existe um período de segurança, mas o casal não deve abusar. "O período mais seguro para a mulher não engravidar depois do parto é no máximo de no máximo dois meses. Depois disso é recomendado que ela inicie algum método contraceptivo", indica.

Além das opções mais comuns, como o adesivo, a injeção contraceptiva e a pílula, o médico, junto com a paciente, também pode pensar na possibilidade dos métodos permanentes, como o DIU.