mulher

Ter ou não bicho de estimação? Veterinária opina

pets shutterstock 99574781
PETS shutterstock_99574781

Mariana Bueno

Do Bolsa de Bebê

Desde que os pais tenham o cuidado necessário, ter um animal de estimação auxilia no desenvolvimento infantil. Quem explica é a veterinária Isabella Vincoletto, do laboratório Vetnil. "O convívio de crianças com animais de estimação é muito saudável, pois, além de estimular as habilidades motoras e a comunicação, reduz a ansiedade, acalma, auxilia na brincadeira e no gasto de energia e faz com que a criança, desde cedo, compreenda e assuma algumas responsabilidades", afirma.

A escolha do bichinho pode ser desde os mais quietos, como peixes ou tartarugas, até aqueles mais levados, que demandam mais atenção mas que, por outro lado, favorecem muito mais a interação com a criança.

Se a escolha for por um cachorro, a veterinária diz que algumas raças têm temperamento muito dócil, como é o caso do Pastor Alemão, Labrador, Beagle, Boxer, Cocker Spaniel e o Staffbull. Já raças como Pincher e Poodle podem apresentar um poder de posse maior sobre seus donos. Entre os gatos, o Balinês e o Siamês são muitos fáceis de conviver. "Isso, no entanto, não exclui outras raças de cães e gatos ou mesmo animais sem raça definida, que também podem ser ótimas companhias. Não há regra sem exceção".

Leia também: 

Gravidez semana a semana: veja o que ocorre com mãe e bebê

Entendendo seu corpo: período fértil

Especialista esclarece 10 principais dúvidas sobre o ultrassom

As 10 maiores dúvidas sobre ovulação