mulher

Quando devo comprar um andador para meu filho?

shutterstock 2868359
bebê-cuidados-andador

Por Dr. Roberto Cooper*

Do Bolsa de Bebê

Poderia fazer a matéria mais curta da história, respondendo apenas: NUNCA! No entanto, tenho a certeza de que todos gostariam de um pouco mais de informações, para uma posição tão categórica quanta esta que assumi. Principalmente, se considerarmos, que me alinho com os pediatras "soft". Isto é, pertenço ao grupo de pediatras que estimula os pais a ousarem e costumo ser um crítico de regras pré-estabelecidas para ajudar os pais na saúde e educação dos filhos. Então, de onde vem essa negativa tão enfática, para o uso de andadores?

Leia também:

Andador pode prejudicar o desenvolvimento do bebê

As polêmicas infantis > Apoio para os primeiros passos?

Risco de acidentes domésticos aumenta nas férias

Desde 2007 a venda, importação ou propaganda de andadores está proibida no Canadá. Um país de economia liberal que proíbe a comercialização de um produto, não o faria se não tivesse evidências que suportassem tal medida.

Um dos motivos pelos quais os pais acham interessante o uso do andador é porque ele (o andador) daria maior segurança para as crianças, evitando tombos ou quedas. Um estudo sueco mostrou exatamente o contrário. A primeira causa de traumatismo craniano em crianças menores de quatro anos de idade foi queda ou tombo de um andador. A grande maioria destas quedas foi em escadas, degraus, ou desníveis. A segunda causa de traumatismo craniano  nesta pesquisa sueca, foi acidentes no play com brinquedos (queda ou trauma direto). Portanto, o argumento de que o andador é seguro não é uma verdade inquestionável.

Outro motivo pelo qual os pais acham o andador interessante é porque aumenta a mobilidade da criança. É verdade que aumenta, e muito, a mobilidade. No entanto, ao aumentar a mobilidade de uma criança que ainda não tem noção do que é perigoso ou não, aumentamos a exposição desta a perigos. O andador é um veículo que pode atingir a velocidade de 1m/s. Nesta velocidade, além de colisões em móveis, quinas de mesa etc. a criança pode alcançar, muito rapidamente e sem que os pais percebam lugares da casa onde peguem objetos cortantes, perfurantes, vasos, porta-retratos ou consigam puxar fios, telefones, lâmpadas, com potencial de produzir acidentes muito maior do que se a criança estivesse se deslocando pelos seus próprios meios.

Um argumento muito comum para a utilização do andador é que este facilitaria o desenvolvimento da criança. É justo o oposto. Ainda que a diferença seja pequena, crianças que utilizam o andador apresentam um discreto atraso no seu desenvolvimento motor, quando comparadas com as que não usaram andador.

Muitos pais acreditam que o andador é uma ótima forma da criança se exercitar. De fato, ela ganha mobilidade, como vimos acima, mas o esforço físico, o trabalho muscular e o consumo de energia é muito menor no andador do que quando a criança se desloca somente usando a sua musculatura. Portanto, a criança no andador faz menos exercício do que uma criança que engatinha e tenta se levantar, por exemplo.

Finalmente, alguns pais dizem que gostam de ver seus filhos no andador porque ficam muito felizes, sorrindo o tempo todo. Ora, uma criança pequena, sorri para quase qualquer coisa que se faça com ela. Basta ficar na frente dela e fazer duas ou três caretas, emitindo alguns sons, ou mostrar coisas coloridas, ou fazer qualquer coisa que chame a atenção da criança que esta irá sorrir. Se ela só sorrisse no andador, poderíamos fazer essa associação, mas como ela sorri para quase tudo...

Espero ter mostrado com algumas evidências que não há lugar para o andador, na vida dos bebês. Espero também que não me classifiquem como um pediatra "linha dura". Deixem-me  no grupo dos "pediatras soft", apenas um pouco mais enfático quando existem argumentos sólidos, com relação a algo, como, neste caso, o andador. Divirtam-se com seus filhotes engatinhando pela casa, tentando ficar de pé na beira dos sofás e cadeiras e, finalmente, cambaleando, caindo no bumbum, levantando e andando!

*Dr. Roberto Cooper é médico formado pela UFRJ em 1976

Residente de Pediatria do Hospital da Lagoa- 1976/1977

Título de Especialista em Pediatria pela Sociedade Brasileira de Pediatria

Médico do Instituto Fernandes Figueira- FIOCRUZ

Consultor da OMS até 1985

Contatos: consultoriorcooper@globo.com

http://www.robertocooper.com