mulher

Desmame do bebê precisa ser feito com orientação

desmame
desmame

Fernanda Camargo

Do Bolsa de Bebê

A amamentação é um período natural e fundamental na vida de uma mãe e seu bebê. O ato de desmamar a criança, também. Saber o período exato, em acompanhamento com um médico, é o ideal e contribui para que o filho cresça saudável.

Leia também:

É possível se preparar para o parto natural?

Prepare o seio para evitar dores e rachaduras ao amamentar

Florais ajudam a acalmar o bebê

"O leite materno é completo e fornece 100% dos nutrientes que os recém-nascidos precisam até os seis meses de idade. Ele é livre de contaminações, gratuito e vem na temperatura ideal para os bebês", comenta o doutor Jairo Len, médico pediatra na Clínica Len de Pediatria.

É difícil falar em linhas gerais sobre o período exato do desmame. Cada mamãe deve fazer um acompanhamento com seu médico nesse momento. O doutor Jairo diz que os bebês devem mamar até os seis meses de idade, no mínimo. "De acordo com as sociedades pediátricas e a Organização Mundial da Saúde (OMS), as crianças podem mamar ao seio até os 2 anos de idade. Tudo depende de haver uma boa produção de leite materno", diz.

São diversos os fatores que implicam no momento de desmamar o bebê. O pediatra comenta sobre alguns deles, como o trabalho, a disponibilidade da mulher, sua produção de leite, o interesse da criança pelo seio e até mesmo a vontade da mãe de continuar ou não com a amamentação após o sexto mês de vida. Planejar-se para isso é fundamental. O desmame precisa ser feito aos poucos para que nem a mãe e nem o bebê sofram com essa grande mudança. "O planejamento gradual é muito bom. Evita problemas, principalmente no que diz respeito ao excesso de produção de leite materno, dores nos seios e mastite", ressalta o doutor. Ele indica que o desmame seja feito em 2 a 3 meses.

Os bebês geralmente ficam irritados quando o desmame não é feito de forma lenta. "Muitas mães amamentam até o sexto mês e voltam ao trabalho em seguida, tendo que introduzir mamadeiras e alimentação complementar de forma súbita. Nestas situações, eles têm irritabilidade, choro e dificuldade de aceitação das mamadeiras", relata.

Já algumas mães acabam não conseguindo amamentar até os seis meses de vida devido a alguns fatores exclusivos. "Os motivos são muito variáveis como cirurgias mamárias pregressas, uso de medicações não compatíveis com amamentação, entre outros", conta. Nestes casos, há produtos desenvolvidos para a substituição do leite materno.

Após o desmame, o doutor Jairo indica utilizar fórmulas lácteas para suprir a falta do leite materno. "Não é indicado o uso de leites integrais nesta faixa etária", avisa. O pediatra lembra que, após os seis meses de idade, a alimentação das crianças precisa ser bem saudável com frutas, legumes, hortaliças e proteína animal para que elas tenham todos os nutrientes necessários ao seu bem-estar e saúde.

Dr. Jairo também alerta algumas mamães sobre o comportamento em relação à amamentação: "não é bom que a mãe faça do seio um consolo para seu filho, amamentando simplesmente porque a criança está chorando, com sono ou mesmo amamentando várias vezes durante a noite".