mulher

Desenvolvimento do recém-nascido até 1 ano

desenvolvimento um ano bebe
desenvolvimento-um ano-bebe

Depois de tanto esperar, seu filho nasceu. Por mais que nos preparamos, buscando informações e recursos antes e durante a gestação, a chegada de um bebê sempre traz junto algumas inseguranças.

Leia também

Como manter o bebê fresquinho no calor

Banho do bebê: o que é certo ou errado?

A partir de quando o bebê pode tomar sol?

É natural que ao longo dos primeiros anos haja dúvidas em relação ao desenvolvimento da criança, ao que ela está capacitada ou não a fazer ou, até, a possíveis conquistas que parecem não vir. A psicóloga infantil Christina de Salles Juchem garante que não é possível se ater a uma regra.

Mas antes de tudo, somos seres humanos e compartilhamos das mesmas necessidades para evoluirmos rumo à autonomia e à independência. Confira as características de cada fase organizadas pela especialista como se o primeiro ano pudesse ser divido em 3 fases.

Elas devem ser usadas apenas como linhas-guia no seu próprio interesse em descobrir quem é o seu filho. Evite comparações e procure sempre em primeiro lugar trabalhar em si mesmo a ansiedade de obter respostas a estímulos e conclusões de fases que virão apenas quando a criança estiver pronta.

Desenvolvimento do bebê

Primeira fase: Conforto e segurança

[[{"fid":"","view_mode":"default","fields":{"format":"default","field_file_image_description[und][0][value]":""},"type":"media","link_text":null,"attributes":{}}]] A amamentação é muito importante na primeira fase de desenvolvimento do bebê / Crédito: Thinkstock

Os primeiros meses de vida do bebê são determinantes para todo o desenvolvimento que virá na sequencia. Como a visão ainda está em formação, tende a se sentir inseguro sobre onde está e o que está acontecendo a sua volta.

Apesar de já fechar as mãozinhas quando colocamos o dedo em sua palma, isso acontece por reflexo e durante esse período inicial eles têm poucos recursos à disposição para se comunicar e interagir. O choro e os resmungos são a sua forma de se expressar e chamar nossa atenção para reclamações que giram sempre em torno das necessidades básicas: fome, eliminação e sono.

Eles até mexem pernas e braços, aleatoriamente para o alto, principalmente na hora de trocar a fralda ou do banho. Mas nesse início, eles gostam mesmo é de ficarem quietinhos, no colo, enrolados por mantas, firmes e aquecidos, como estavam dentro da bolsa de águas no útero materno. Reproduzir essa sensação nos primeiros meses de vida é determinante para que o bebê conquiste aos poucos a segurança necessária para percorrer saudável o universo de novidades que o espera.

Nesse período, a amamentação exerce um papel fundamental. Além disso, as vozes da mãe, do pai e das pessoas da família são elementos conhecidos do bebê por tê-las ouvido mesmo enquanto feto durante a gestação. Conversar com o bebê nesses primeiros meses, apesar das respostas vagas através de olhares e sorrisos, é crucial para tanto para a segurança da criança quanto para a formação do vínculo das relações familiares que a sustentarão ao longo da vida.

Segunda fase: Desenvolvimento sensório motor

De repente seu bebê está dormindo menos, parece mais agitado e o conforto do colo parece não resolver toda sua inquietação. Com a musculatura das pernas, costas e pescoço mais firmes e as retinas já coladas, a criança entra num período de intenso desenvolvimento e descobertas.

É como se depois das necessidades básicas terem sido supridas, ele finalmente se sente capacitado a descobrir a si mesmo. Quer pegar os pés, acompanha movimentos e sons com o olhar, leva as mãos à boca e começa a balbuciar já querendo estabelecer diálogos com os mais próximos.

[[{"fid":"","view_mode":"default","fields":{"format":"default","field_file_image_description[und][0][value]":""},"type":"media","link_text":null,"attributes":{}}]] A segunda fase é marcada pelas tentativas de virar de bruços / Crédito: Thinkstock

É nessa fase que o bebê aprende a ficar na clássica posição de bruços, com a cabeça firme e elevada. Ele aprende a girar e trabalha dedicadamente seu corpo, capacitando-o a sentar. Quer pegar objetos, ensaia preferências mas que ainda são todas passageiras. Seu cérebro está em trabalho intenso registrando as descobertas que o bebê faz de si mesmo, do seu corpo e das infinitas possibilidades que os sentidos oferecem. Brincadeiras, histórias, músicas, mímica, massagem, banho, tudo é estímulo que a criança usa como alavanca para conhecer a si mesmo enquanto coleta informações sobre esse novo mundo que ela habita.

Terceira fase: Curiosidade e locomoção

Depois de sentar é dada a largada para o tão esperado engatinhar. Esse é um momento crucial para os pais gerenciarem suas expectativas. Como acontecem com todas as conquistas, elas são construídas gradualmente e se concretizam num piscar de olhos. Antes de andar nos quatro apoios, é comum o bebê buscar ficar em pé se segurando em mesas e cadeiras. Esse movimento é importante porque fortalece ainda mais a musculatura de pernas, cintura, braços e costas, essencial para que ele defina o seu engatinhar, preparando-o ainda mais para o tão esperado caminhar.

[[{"fid":"","view_mode":"default","fields":{"format":"default","field_file_image_description[und][0][value]":""},"type":"media","link_text":null,"attributes":{}}]] A terceira fase é o momento do bebê engatinhar / Crédito: Thinkstock

Locomover-se sozinha mesmo rasteando dentro de um espaço limitado é um fato marcante na vida da criança. Esta conquista é muito significativa na sua trajetória porque possibilita outras tantas experiências novas.

Essa é também a fase de introdução de alimentos e as crianças reagem das mais diversas maneiras. Acostumadas apenas como o doce do leite materno, descobrir a existência de outros alimentos, seus sabores e efeitos no organismo pode ser fascinante, tudo depende da forma como as novidades serão apresentadas e as reações conduzidas.

A conclusão do primeiro ano de vida

Em geral, ao final do primeiro ano a criança já anda, estica seus braços para ser pega no colo ou pedir algo que seja do seu agrado. Também come com as mãos, brinca ativamente com brinquedos e o próprio corpo e pronuncia palavras-chave como "mama", "papa".

Ela já reconhece as pessoas mais próximas e as identificam. Os bebês já sorriem com facilidade, mas também não hesitam em demonstrar quando algo os desagrada. Os hábitos de alimentação e sono já estão formados e uma etapa muito importante foi concluída, preparando-os para desbravar o mundo ao longo dos próximos anos.

"É incrível perceber que a mesma criança que em um mês não direciona o olhar, em seguida já brinca propositalmente com as mãos. Todo esse desenvolvimento é um processo complexo onde cada capacidade adquirida gera a possibilidade de novas conquistas mais e mais complexas", conclui a especialista.