explore

Como as luzes pisca-pisca podem afetar sua conexão wi-fi

pisca pisca wi fi 1
Thinkstock

Com a chegada do Natal, nada mais natural que as luzes pisca-pisca ajudando a enfeitar sua árvore bem decorada. Mas, elas podem ter uma função incômoda: interferir nas ondas de wi-fi que possibilitam acessar a internet sem fio, já que utilizam o mesmo campo eletromagnético.

Veja como evitar que isso aconteça:

Leia também: 5 truques para melhorar o sinal de wi-fi

Feliz Natal, triste wi-fi

Eletroeletrônicos como micro-ondas, televisores e telefones emitem ondas que geram interferências com as mesmas ondas do wi-fi. Com o pisca-pisca, ocorre o mesmo. Por isso, tem que ter cautela na hora de espalhá-lo pelos cantos da casa.

pisca pisca wi fi 2
Thinkstock

A forma mais fácil de evitar que isso aconteça é utilizar uma frequência de sinal diferente de 2.4 GHz – isso se o seu roteador permitir, claro. Essa é a frequência mais comum do wi-fi (cada Hertz representa 1 comprimento de onda por segundo).

Conforme o número de Hertz aumenta, menores são as ondas eletromagnéticas, que permitiriam o acesso à internet. Para efeito de comparação, um rádio FM, por exemplo, usa em média 100 MHz, ou seja, 100 milhões de ondas por segundo. Com uma velocidade de frequência alta, elas tendem a se fragmentar mais, tornando essas ondas pequenas e, desta forma, suscetíveis às interferências.

Leia também: Espirro, tontura, fadiga? Pode ser o seu wi-fi

pisca pisca wi fi 3
Thinkstock

Portanto, o recomendado é utilizar uma frequência menor que 2.4 GHz, para que as ondas sejam melhor captadas pelos dispositivos. (Por isso, as rádios FM estão livres de serem atrapalhadas pelos pisca-pisca.)

Outra opção é deixar o modem em um local distante do pisca-pisca. O ideal é colocá-lo numa espécie de zona livre, em um local alto e sem paredes que interrompam o sinal enviado por suas antenas.

Ah, não deixe perto de TV, micro-ondas, console ou outro objeto similar, senão eles podem ‘disputar’ essas ondas de frequência, prejudicando o sinal de wi-fi.

Leia também: Li-fi: a curiosa e veloz tecnologia que pode substituir o wi-fi