pop

5 teorias sobre a misteriosa morte do bluesman Robert Johnson

Divulgação

O músico Robert Johnson é, provavelmente, a maior lenda da história do blues. O rótulo deve-se a sua importância, já que foi um dos pioneiros do estilo Delta Blues, composto apenas por violão e voz, influenciou muitos músicos e toda a geração do blues elétrico de Chicago. Mas o rótulo também se explica por meio das teorias e mistérios que envolvem seu nome. Ele gravou apenas 29 músicas, entre 1936 e 1937 e seu nome é até hoje cercado por uma das melhores histórias do rock: sem saber tocar bem seu instrumento, o que o fez ser até alvo de chacotas, Johnson teria ido a uma encruzilhada em Clarksdale, no Mississipi, entre as rodovias 61 e 49, e feito um pacto com o demônio. Depois disso reapareceu tocando violão como nunca antes.

Johnson morreu aos 27 anos e a causa da sua morte é, até hoje, desconhecida. Seu atestado de óbito diz apenas “no doctor”, pois não havia um médico presente para apontar sua causa-mortis. A partir daí, surgiram diversas teorias sobre como o músico morreu. Escolha a sua:

1 – A mais difundida ( o que não quer dizer que seja verdade) é a de que tomou uísque envenenado pelo dono de um bar que estava tendo um caso com sua mulher; outra diz que o marido ciumento de uma de suas amantes é que seria o tal dono de bar que o envenenou;

2 – Outra diz que ele pegou pneumonia que o atingiu e o deixou entre duas e seis semanas na cama antes de morrer; há uma teoria que junta as duas: ele teria bebido uísque envenenado, ficou de cama, escapou da morte, mas adquiriu pneumonia três depois e , por isso morreu;

3 – Uma outra, pura e simples, que deixa no ar que o músico seria chegado em uma vida com muito sexo além de rock n roll é a de que teria morrido de sífilis;

4 – Outra teoria, mais violenta, é a de que morreu ao levar um tiro no peito após uma discussão de bar (que poderia ou não ter a ver com a mulher de alguém ou com o fato de a sua mulher ter um amante);

5 - Morreu de olhos abertos porque foi surpreendido por algum golpe.