explore

6 fatos sobre o avião supersônico Concorde e sua incrível velocidade

iStock

Houve um tempo que voar de Nova York a Paris levava pouco mais de 3 horas, pelo menos para as pessoas abonadas que podiam pagar a passagem. É que o avião que cumpria esta façanha era o supersônico Concorde, uma aeronave que entrou para a história da aviação por bons (e alguns maus) motivos. Relembre:

#6 - União de força

O Concorde se tornou possível a partir da união de forças das indústrias aeronáuticas francesa e inglesa. O nome “concórdia”, foi escolhido para celebrar esta união.

#5 - Sonho antigo

Durante toda a década de 60, diversos países correram contra o tempo para desenvolver um avião de passageiros supersônico, que ultrapassasse a velocidade do som. A União Soviética entrou na onda, mas franceses e ingleses levaram a melhor.

#4 - Primeiros modelos

Os primeiros modelos de Concorde começaram a ser produzidos e testados em 1969. Eles passaram a ser adotados pela “British Airways” e pela “Air France”. As asas e  bico, que se movia para baixo, eram marcas características do avião.

#3 - Mais rápidos do que o som

O Concorde alcançava 2.179 km/h. Isso significa que ele conseguia a velocidade 2,04 Mach, ou seja: era 2,04 vezes mais rápido do que o som. Para se ter uma ideia, um Boeing voa a no máximo 912 km/h.

#2 - Muito caro

O problema é que logo no começo da década de 70 explodiu a Crise do Petróleo, fazendo o produto e seus derivados ficarem muito mais caros. O Concorde era um avião “beberrão” e que levava poucos passageiros (até 120). Com isso, o preço da passagem ficou muito alto, alcançado valores na casa do que hoje seriam quase R$ 20 mil.

#1 - Acidente e encerramento

Em julho de 2000, um acidente fatal com um Concorde da Air France que ia de Paris a Nova York matou mais de 100 pessoas a bordo e quatro no solo. Embora a “culpa” tenha sido de um outro avião, que deixou uma peça na pista do aeroporto (e que danificou o Concorde), o acidente marcou o fim de uma era. Em 2003, o Concorde deixou de voar.