explore

5 remédios para emagrecer com graves efeitos colaterais

remedios para emagrecer5
Thinkstock

Emagrecer é a meta de vida de muitos e verdadeira obsessão de outros. Dietas malucas, chás, simpatias e até remédios: vale tudo para perder peso. O problema é que alguns destes métodos podem ser muito perigosos e colocar a nossa vida em risco.

Remédios para emagrecer

Os remédios para emagrecer estão entre os mais polêmicos do mercado, a cada ano uma nova droga “anti-obesidade” é lançada e não é raro serem tiradas de circulação por seus graves efeitos colaterais. Fique de olho e veja 5 exemplos:

5. Sibutramina

[[{"fid":"1004385","view_mode":"default","fields":{"format":"default"},"type":"media","link_text":null,"attributes":{"class":"media-element file-default"}}]]

Um medicamento que foi muito popular no mundo todo na última década, mas em 2010 foi retirado do mercado por seus perigosos efeitos colaterais. Vários pacientes tratados com a droga sofreram AVCs (acidente vascular cerebral) e problemas cardíacos.

4. Orlistat

[[{"fid":"1004386","view_mode":"default","fields":{"format":"default"},"type":"media","link_text":null,"attributes":{"class":"media-element file-default"}}]]

Conhecido por Xenical, o Orlistat evita que o corpo digira as gorduras dos alimentos, o que seria bom se o medicamento não provocasse o mesmo efeito com nutrientes importantes. Pacientes tratados com Xenical apresentaram problemas hepáticos, renais e diarreia involuntária. O Xenical não foi retirado do mercado e é vendido no Brasil a preços altos, mas muitos médicos já deixaram de receitá-lo.

3. Rimonabant

[[{"fid":"1004387","view_mode":"default","fields":{"format":"default"},"type":"media","link_text":null,"attributes":{"class":"media-element file-default"}}]]

Perder peso pode ajudar a levantar a autoestima. Este medicamento ajuda a perder os quilos extras ao mesmo tempo em que pode interferir no funcionamento do cérebro. O rimonabant atua como um redutor de apetite e causou depressão, psicose e ideias suicidas em muitos pacientes, motivo pelo qual foi proibido na Europa. Além disso, quem deixava de consumir a droga recuperava todos os quilos perdidos.

2. Qsymia

[[{"fid":"1004388","view_mode":"default","fields":{"format":"default"},"type":"media","link_text":null,"attributes":{"class":"media-element file-default"}}]]

Um medicamento muito mais novo que, apesar ter apresentado bons resultados, gerou dependência a longo prazo. Quem sofria de apneia do sono teve os sintomas agravados e descobriu-se que o qsymia influencia no funcionamento das pílulas anticoncepcionais, o que é bastante grave considerando que o medicamento gera sérios efeitos colaterais quando tomado durante a gravidez.

1. Dexfenfluramina

[[{"fid":"1004389","view_mode":"default","fields":{"format":"default"},"type":"media","link_text":null,"attributes":{"class":"media-element file-default"}}]]

Esta droga, conhecida pelo nome comercial Redux, era um remédio muito popular nos anos 90, já que atuava como redutor de apetite modificando os mecanismos da liberação de serotonina no cérebro. Em 1997, a dexflenfluramina foi proibida e retirada do mercado por seus efeitos colaterais preocupantes, que iam desde complicações cardíacas graves a hipertensão, insônia crônica e alterações do estado mental.

Leia mais: 6 coisas que você precisa saber sobre como os remédios chegam ao mercado