Você sabe qual era o animal favorito de Charles Darwin?

darwin
Thinkstock

Pensa que é algum animal grande? Talvez as colossais tartarugas de Galápagos, que maravilharam um jovem Charles Darwin enquanto seguia a Viagem do Beagle? Não, está longe.

O animal que mais fascinou Darwin media poucos centímetros e, na verdade, permanece desconhecido para muitos.

Leia também: 7 grandes cientistas da história com distúrbios psicológicos

Cirripédios, os animais favoritos de Darwin

cirripedios
Elliott & Fry/Bain News Service

Os cirripédios são crustáceos enigmáticos. Sua morfologia é bastante singular: parecem esponjas ou uma planta exótica, mas a verdade é que, ao longo da evolução, estes organismos sofreram modificações propícias para uma vida séssil, ou seja, permanentemente presa a uma ‘base’.

Todas as espécies de cirripédios são aquáticas e alimentam-se de qualquer coisa que possam capturar, principalmente plânctons e resíduos orgânicos. Podem, também, viver embaixo d’água em até 600m de profundidade.

Estes organismos são hermafroditas sequenciais, ou seja, alternam oportunamente de sexo – mas nunca os dois ao mesmo tempo. Dado curioso: mesmo sendo pequeno, o tamanho de seu pênis, comparado à sua estatura, é proporcionalmente o maior de todo o reino animal.

Leia também: 7 pessoas com animais ou plantas dentro de si

Charles Darwin e o estudo dos cirripédios

cirripedios 2
Thinkstock

Seguindo os conselhos do amigo Joseph Hooker, grande botânico, Darwin começou a estudar os cirripédios antes de publicar a teoria da evolução das espécies. Hooker chegou a redigir duas importantes monografias sobre a interclasse cirripédia: “Living Cirripedia” (1851) e “Fossil Cirripedia” (1854).

A maior contribuição de Darwin nesses estudos foi classificar corretamente este grupo de animal. Outrora considerados moluscos, o futuro evolucionista chegou à conclusão de que eram crustáceos após estudar as larvas que dão origem aos cirripédios adultos, notando que sua morfologia era semelhante a outros animais marítimos do mesmo grupo.

Interessante notar que somente enquanto larvas os cirripédios têm a possibilidade de locomoção. Assim que cresce, a larva se esconde em um substrato e sofre uma metamorfose que a transforma no quebra-cabeça vivo que por muito tempo perdurou na mente de Darwin.

Leia também: Os 5 melhores pais do reino animal